Pular para o conteúdo principal

Vídeos mostram protestos contra Bolsonaro antes do discurso na ONU

Imagem
Arquivo de Imagem
Bolsonaro

Parafraseando a cantora Kátia, "não está sendo fácil" a passagem de Bolsonaro em Nova York para discursar na 76ª Conferência da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Desprestigiado entre os líderes mundiais por causa da questão ambiental e pela condução da pandemia no Brasil - que já deixou 591 cidadãos e cidadãs mortos -, Bolsonaro tem se dividido entre "puxões de orelha", protestos nas ruas e refeições ao ar livre.

Puxões de orelha

Citando o presidente do Brasil, o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, afirmou: "Precisamos mandar uma mensagem a todos os líderes mundiais, incluindo mais notavelmente Bolsonaro, do Brasil, que se você pretende vir aqui, precisa estar vacinado. Se não quiser ser vacinado, não incomode vindo, porque todo mundo deveria estar junto”.

No mesmo sentido, as leis da cidade americana proíbe que pessoas não vacinadas frequentem a parte interna de restaurantes. Algo que expôs Bolsonaro ao ridículo de comer pizza na rua e fazer uma refeição em um cercadinho improvisado por uma churrascaria brasileira. Sua única agenda relevante foi um encontro com Boris Johnson, que afirmou ter tomado duas doses de AstraZeneca enquanto Bolsonaro, gesticulava dizendo que ele não havia tomado vacina alguma. A dificudade de diálogo se expressou nessa passagem.

Protestos contra Bolsonaro

Além de envergonhar o Brasil internacionalmente, Bolsonaro também foi alvo de protestos, como mostram os vídeos que rodaram a internet na noite de ontem (20). Sua comitiva, composta por ministros e pelo presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, foi vaiada e chamada de genocida em locais diversos.

Os protestos fizeram com que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, protagonizasse uma cena absolutamente ridícula, respondendo aos manifestantes com gestos ofensivos.

Sobrou até para o filho "03" do presidente, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, que passeava em uma loja da Apple, ser alvo dos protestos. Curiosamente, o 03 não revidou com a indelicadeza que costuma exibir no Brasil, como mostrou o jornal O Globo.

Expectativa

Por fim, a expectativa do disurso de Bolsonaro ao mundo é a pior possível, como sintetizou Gustavo Pizzo, ironicamente nas redes sociais: