Pular para o conteúdo principal

Viagens de Bolsonaro já custaram quase R$ 50 milhões aos cofres públicos

Imagem
Arquivo de Imagem
as viagens de bolsonaro

Dados apurados via Lei de Acesso à Informação pela Fiquem Sabendo, agência de dados especializada no acesso a informações públicas, mostram que as viagens de Bolsonaro desde o início de seu mandato já custaram R$ 49,8 milhões aos cofres públicos.

O valor foi calculado levando em conta o período de 1º de janeiro de 2019 a 10 de novembro deste ano. Além disso, foi corrigido pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de cada um dos anos.

Foram 262 viagens presidenciais pelo Brasil, que se dividiram entre todas as regiões. É possível ver nos dados enviados pelo governo, que o foco das viagens do presidente mudou: no primeiro ano de governo, 2019, Bolsonaro visitou com mais frequência as regiões Sul e Sudeste; já em 2021, houve um aumento nas viagens para o Norte e o Nordeste.

LEIA TAMBÉM:
- Governistas buscam plano alternativo para promulgação da PEC dos Precatórios
- Copom se reúne esta semana para decidir taxa de juros
- Sob Bolsonaro, investimento em infraestrutura recua e volta ao patamar de dez anos atrás

Entre todas as viagens pelo Brasil, a mais cara aconteceu entre 2020 e 2021. Bolsonaro gastou R$ 1.189.978,78 para ficar de 22 de dezembro a 4 de janeiro na cidade de Guarujá, litoral paulista. Na mesma cidade, Bolsonaro também gastou R$ 582.258,96 para ficar de 15 a 27 de novembro de 2020. Porém, há outras cidades em que Bolsonaro ficou que custaram mais de meio milhão de reais, como Breves (PA), São Gabriel da Cachoeira (AM), São Francisco do Sul (SC) e São Paulo (SP).

Já em relação às viagens internacionais, os gastos do presidente foram menores, cerca R$ 3,9 milhões durante todo o mandato. A viagem mais cara foi a realizada ao sudeste asiático, em 2019, e custou R$ 1,1 milhão aos cofres públicos.

As datas divulgadas aqui compreendem as viagens do chamado Escalão Avançado (ESCAV), que chega no destino antes do presidente e costuma ir embora depois. Conforme explica a Fiquem Sabendo, o governo não divulgou a informação sobre quantas pessoas fazem parte desta equipe de apoio.