Pular para o conteúdo principal

Trabalho: 48% dos informais ganham menos de um salário mínimo

Imagem
Arquivo de Imagem
Desemprego

A vida sem chefe, com horários flexíveis e sem a necessidade de bater o ponto é vendida como um sonho para os trabalhadores. Contudo, a realidade dos trabalhadores informais está longe de ser 'um mar de rosas', segundo pesquisa realizada pelo projeto Reconexão Periferias, da Fundação Perseu Abramo.

Os dados apurados mostram que 48% dos que trabalham por conta própria têm um salário menor do que um salário mínimo em vigência hoje, R$ 1.100. No mesmo sentido, a pesquisa informa que 30% possuem renda entre R$ 1.001 e R$ 2.000; 15% recebem de R$ 2.001 a R$ 4.000; e apenas 7% conseguem uma renda maior do que R$ 4.000.

Diferenças e desigualdade entre os trabalhadores informais

Assim como o mercado formal de trabalho, o informal também reproduz as desigualdades produzidas pela sociedade. Nesse sentido, as mulheres negras também são as que obtém menor rendimento. Conforme a pesquisa, mulheres negras predominam na área de cuidados com o corpo e produção de roupas e alimentos. Já entre homens negros, as atividades predominantes são a construção civil, transporte e manutenção automotiva.

Observa-se também que a faixa salarial que compreende os que ganham até R$ 500 é ocupada por ampla maioria de negros e negras. O mesmo que ocorre em menor proporção entre os que ganham até R$ 2.000.

Já os homens brancos são os que recebem melhor em todas as posições, mesmo trabalhando por conta própria. A pesquisa aponta que entre os que recebem R$ 2.001 e R$ 4.000, os homens brancos são a ampla maioria. E na faixa dos que recebem mais de R$ 4.000, homens e mulheres brancas são quase a totalidade.