Pular para o conteúdo principal

Tombo: PIB fecha 2020 com queda de 4,1%, a maior em 24 anos

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Levando em conta o quarto trimestre do ano, a economiado cresceu 3,2%

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil encerrou 2020 com queda de 4,1%, totalizando R$ 7,4 trilhões. Segundo dados divulgados nesta quarta-feira (3) pelo IBGE, trata-se do maior recuo anual da série iniciada em 1996.

Faça parte do nosso canal Telegram.
Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin

Essa queda interrompeu o crescimento de três anos seguidos, de 2017 a 2019, quando o PIB acumulou alta de 4,6%. Já o PIB per capita alcançou R$ 35.172 no ano passado, recuo recorde de 4,8%.

Levando em conta o quarto trimestre do ano, a economiado cresceu 3,2%.

Leia também:
IBGE: 13,4 milhões de pessoas estão na fila do desemprego
Governo Bolsonaro reduz subsídio a carros para pessoas com deficiência

Segundo o IBGE, o resultado reflete os efeitos da pandemia de Covid-19, quando diversas atividades econômicas foram parcial ou totalmente paralisadas para controle da disseminação do vírus. Os serviços prestados às famílias foram os que tiveram maiores impactos negativos por conta das restrições de funcionamento

Em 2020, os serviços encolheram 4,5% e a indústria, 3,5%. Somados, esses dois setores representam 95% da economia nacional. Na indústria, o destaque negativo foi o desempenho da construção (-7,0%), que voltou a cair depois da alta de 1,5% em 2019. Por outro lado, a agropecuária cresceu 2%.

Consumo das famílias é o menor em 24 anos

O consumo das famílias teve o menor resultado da série histórica (-5,5%) por conta da piora no mercado de trabalho e a necessidade de distanciamento social.

A queda no consumo do governo também foi recorde (-4,7%), e pode ser ilustrada pelo fechamento de escolas, universidades, museus e parques ao longo do ano.

Os investimentos (Formação Bruta de Capital Fixo) caíram 0,8%, encerrando uma sequência de dois anos positivos. A balança de bens e serviços registrou queda de 10,0% nas importações e 1,8% nas exportações.