Reconta Aí Atualiza Aí Tomate puxa o aumento da cesta básica em São Paulo

Tomate puxa o aumento da cesta básica em São Paulo

Cesta básica em São Paulo tem aumento

Cesta básica tem aumento em 13 das 27 capitais do Brasil; em São Paulo, o valor para alimentar uma família chegou a R$ 654,15

A pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, realizada pelo Dieese, mostra que os produtos que compõem a cesta básica tiveram aumento na cidade de São Paulo.

Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin

A variação foi de 3,59% em janeiro, quando comparado ao mês anterior, dezembro. Já no acumulado de 12 meses, a cesta na cidade de São Paulo acumulou alta de 26,40%. A cesta básica é composta por carne, leite, feijão, arroz, farinha, batata, legumes, pão, café, banana, açúcar, óleo e manteiga.

O valor pago pelos 18 produtos suficientes para uma família de quatro pessoas chegou a R$ 654,15 na capital paulista. Isso equivale a 64,29% de um salário mínimo, ou 130 horas e 50 minutos de trabalho.

Quedas e aumentos nos preços dos alimentos em São Paulo

Na maior e mais populosa cidade do País foi constatado aumento e queda nos preços dos alimentos. Nesse sentido, tiveram alta o tomate (23,04%); a
batata (8,53%); o açúcar refinado (6,87%); banana (3,96%); farinha de trigo (2,14%); carne bovina de primeira (1,55%); manteiga (0,75%), óleo de soja (0,37%) e leite integral (0,19%).

Já entre os alimentos que tiveram queda de preços estão o café (-3,14%); feijão carioquinha (-0,85%); arroz agulhinha (-0,21%) e o pão francês
(-0,14%).

Salário Mínimo necessário

De acordo com o Dieese, o salário mínimo necessário no mês de janeiro deveria ser de R$ 5.495,52, ao invés do atual R$ 1.100,00. Nesse sentido, o valor calculado pela instituição prevê que o salário mínimo garanta alimentação, saúde, educação, moradia e transporte para uma família de quatro pessoas.

Leia também
Auxílio emergencial de três parcelas de R$ 200 proposto pelo governo é inaceitável, diz CUT

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial