Reconta Aí Atualiza Aí Auxílio Emergencial: Taxar lucro, cobrar dívida e melhorar isenção fiscal pagariam auxílio maior

Auxílio Emergencial: Taxar lucro, cobrar dívida e melhorar isenção fiscal pagariam auxílio maior

Levantamento da economista e professora da UFRJ, Denise Gentil, mostra que ao contrário do que diz Bolsonaro, governo tem condições de pagar um novo auxílio emergencial maior do que R$ 250

Por: CUT

Um levantamento da economista e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Denise Gentil, feito com exclusividade para o Portal CUT, mostra que o governo tem diversos mecanismos que poderiam pagar um valor maior do que a proposta de três a quatro parcelas de R$ 250, de um novo auxílio emergencial.

Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin

O governo estima que gastaria R$ 30 bilhões com o novo auxílio a ser destinado a 32 milhões de pessoas (menos da metade dos 67,9 milhões que receberam o benefício de R$ 600, em 2020). Também ficarão de fora desta nova rodada do benefício os beneficiários do Bolsa Família.

Denise Gentil enumera algumas das medidas que pagariam com sobra de dinheiro, o novo auxílio: um critério mais justo para a desoneração tributária, a cobrança de dívidas bilionárias de devedores da União e a taxação sobre lucro e dividendos de empresas.

Somente em renúncias fiscais, em 2020, o governo abriu mão de R$ 330,85 bilhões, representando 4,34% do Produto Interno Bruto (PIB) e 21,78% das receitas administradas pela Receita Federal. Esse valor equivale a uma elevação nominal de 7,98% em relação ao ano de 2019.

Embora as renúncias fiscais, quando o governo isenta de impostos alguns produtos ou diminui o valor a ser cobrado para incentivar a economia ou programas sociais, sejam bem vindas, em muitos casos, o que se vê é um privilégio a determinados setores que não precisariam pagar menos impostos, prejudicando a arrecadação do governo.

“Numa pandemia, as renúncias fiscais deveriam ser revisadas com urgência e dirigidas para setores estratégicos da indústria e para as pequenas e micro empresas, mas, o que se verifica é que o governo deixa de tributar megacorporações e os super ricos”, diz Denise Gentil.

De acordo com a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Unafisco), cinco setores concentram cerca de 80% dos ‘privilégios tributários’. Os mais beneficiados são: Comércio e Serviços (28,4%); Trabalho (15,78%); Saúde (14,02%); Indústria (11,8%) e Agricultura (10,7%).

“Uma parte importante das desonerações é de privilégios a antigos e bem sedimentados setores econômicos, como o setor exportador”, afirma Denise.

O governo, segundo a economista, também poderia operar com maior eficiência a cobrança da dívida ativa das empresas para com a União, que alcançou R$ 2,4 trilhões em 2019, segundo dados da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, de 2020. A dívida de templos religiosos, a título de exemplo, já soma R$ 1,5 bilhão.

Leia também:
Centrais chamam de “absurda” a volta do auxílio emergencial com apenas três parcelas
Volta do auxílio emergencial pode ocorrer sem envolvimento direto do Congresso

Entretanto, o que se vê, de tempos em tempos, são renegociações com perdões, descontos e parcelamentos. Um privilégio dado a grandes devedores de tributos que não é estendido, na mesma proporção, em forma de alívio aos indigentes que necessitam do auxílio emergencial.

“A cada dois, três anos há rodadas de perdão de dívidas por parte do governo, sem nenhuma seleção para resolver a vida das pessoas mais humildes. Você não vê nenhum argumento sobre necessidade de se fazer ajuste fiscal quando o assunto é a arrecadação com cobrança de dívidas tributárias e previdenciárias dos setores patrimonialistas da nossa economia. O ajuste fiscal só tem um lado: o corte de gastos, principalmente na educação, saúde, assistência social, ciência e tecnologia”, ressalta.

Para Denise Gentil, isto é injustificável, principalmente numa época em que a ausência de perspectivas de emprego e o enorme atraso na vacinação estão tornando o país num caldeirão de insatisfações e violência.  

“A fome está fustigando os 68 milhões de brasileiros que dependiam do auxílio emergencial e agora não têm mais como viver. Foram 2,95 milhões de domicílios a sobreviver apenas com os rendimentos recebidos do auxílio emergencial que custou ao país R$ 293 bilhões em 2020. Apesar desta tragédia, o Ministério da Economia acha insustentável a manutenção do mesmo patamar de ajuda para 2021, o que serve para mostrar a resistência em se fazer o que todos os países estão fazendo, o de socorrer suas populações e lutar por suas vidas”, critica a professora de economia da UFRJ.

Tributar os mais ricos

Uma receita de mais de R$ 43 bilhões ao ano poderia ser gerada se o governo cobrasse a alíquota de 15% sobre lucros e dividendos recebidos por donos e acionistas de empresas, argumenta a professora da UFRJ, com base nas estimativas dos economistas do Ipea, Sergio Gobetti e Rodrigo Orair Gobetti, em 2016.

A renda dos mais ricos, que provém predominantemente de dividendos e lucros distribuídos às pessoas físicas, é inacreditavelmente isenta do imposto de renda pela legislação brasileira. Em todo o mundo, somente o Brasil e a Estônia não tributam a distribuição de lucros e dividendos, afirma Denise Gentil.

“Se ainda assim, a soma de tudo isso não pagar, não tem problema nenhum, o governo pode emitir títulos públicos e pagar um auxílio, como fizeram a União Europeia e os Estados Unidos”, pondera a economista.

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial