Anunciada pelo Presidente Jair Bolsonaro em suas redes sociais, a redução de até 90% das Normas Regulamentadoras de segurança e saúde no trabalho como forma de desburocratizar o setor produtivo pode precarizar ainda mais a situação dos trabalhadores no país.

Ministro Ônix Lorenzoni, Presidente Jair Bolsonaro, Vice-Presidente Mourão e secretário Rogério Marinho.

Alan Santos/PR

Por que não mudar o que é antigo?

É salutar que qualquer democracia reveja suas normas e leis periodicamente, e por isso, muitos delas contam com um parlamento que representa a voz da população nos processos decisórios. Com o aperfeiçoamento da democracia, outros atores são chamados a debater questões que afetem suas vidas, como por exemplo centrais sindicais, empresas, auditores do trabalho e profissionais intimamente ligados aos problemas e soluções legais que serão modificados.
No Brasil existem mecanismos que prevêem conselhos participativos – a Política Nacional de Participação Social e o Sistema Nacional de Participação Social. A mudança das Normas Regulamentadoras de segurança e saúde no trabalho deveria contar com a participação social dos setores interessados e não só o setor Patronal.

Maior precarização para o trabalhador sem retorno social

Mesmo sem a certeza de quais normas serão modificadas, vemos uma sinalização de que a intenção é reduzir custos e aumentar a competitividade das empresa brasileiras, como foi explicitado pelo secretário da Previdência e Trabalho, Rogério Simonetti Marinho.

Porém, essa revisão nas normas não será capaz de entregar o que promete e deverá apenas fragilizar a proteção do trabalhador e limitar o espaço de atuação da fiscalização. Se a redução de custos do trabalho gerasse crescimento econômico, emprego e renda, a economia brasileira já estaria crescendo desde a aprovação da Reforma Trabalhista no final de 2017, e isso não está acontecendo.

Mais uma vez, vemos apenas a possível implementação de uma medida pró-capital, pró-empresas. O que gera crescimento econômico é demanda, consumo, investimento e não apenas redução de custos do trabalho.


No exterior

Desde os anos 70 do século passado existe a afirmação de que a redução dos custos do trabalho (reformas trabalhistas) aumentariam a geração de emprego. O caso da Espanha é emblemático: lá o desemprego só caiu quando a Espanha cresceu nos anos 2000, e não pela reforma trabalhista dos anos 80. Atualmente, o desemprego voltou a crescer e está altíssimo entre os jovens. O mesmo está acontecendo no Brasil.

Atualiza Aí


Caixa Cultural de São Paulo tem programação especial para o Carnaval

Oficina “Carnaval na Caixa – da história à confecção de adereços” acontece de 22 a 25 de fevereiro, às 9h30 e 14h30. A entrada é gratuita.

Carnaval: veja como fugir de golpes com seu cartão de crédito

Cuidado com o golpe! Muitas quadrilhas aproveitam as multidões e a distração dos foliões para trocar os cartões de crédito no momento dos pagamentos.

Tensões entre Guedes e Bolsonaro marcam começo de 2020

Como pano de fundo, houve divergências sobre o conteúdo e o ritmo de apresentação da agenda econômica do governo neste ano.

Multimídia


Entidades se reúnem em defesa do estatuto da Funcef

Entidades entregaram ao Conselho Deliberativo da Funcef uma petição com 21,7 mil assinaturas de aposentados de todo o País.

Sérgio Mendonça: o papel dos Bancos Públicos na economia

Economista Sérgio Mendonça participou do programa Crivelli Convida com o advogado Ericson Crivelli.