Vivemos em um mundo em que tudo tem um preço, então é razoável perguntar: qual é o preço da biodiversidade?

A biodiversidade da Amazônia é uma das maiores do mundo.
Quilombo Conceição do Igarapé do Lago do Maracá – Amapá 17/09/2017 – paisagem do Lago do Maracá (Foto: Anderson Menezes/Amazônia Real)

Quanto valem os serviços que biodiversidade presta à humanidade? Há 10 anos, o estudo “The Economics of Ecosystems and Biodiversity” ou “A Economia dos Ecossistemas e a Biodiversidade” tentou responder essa questão. O número alcançado pelos estudiosos foi grandioso: US$ 33 trilhões por ano. Para efeito de comparação, isso era o dobro do valor da economia mundial à época.

Ná água, no solo e no ar a Amazônia tem diferentes ecossistemas, todos riquíssimos.
Um dos símbolos amazônicos, a Vitória Régia.

Nelton Friedrich, ex-deputado Constituinte e ex-diretor de Meio Ambiente da Itaipu Binacional apresentou o estudo. Além disso, o ex-deputado falou sobre a necessidade de soluções que preservem o planeta, os ecossistemas, a biodiversidade e a Amazônia em evento do Observatório da Democracia.

Cultivando água boa foi premiado pela ONU.
Saídas ecológicas que transformam a vida das pessoas e preservam biomas.

Enquanto atuava na Itaipu, Friedrich coordenou o programa ‘Cultivando Água Boa’. Adotado por diversos municípios, o programa recebeu 25 prêmios sendo o mais importante o Water for Life, da ONU-Água. O ‘Cultivando Água Boa’ foi laureado como a melhor prática de gestão dos recursos hídricos em todo o mundo no ano de 2015.

Nelton Frieaderich.
Nelton Friederich. Foto divulgação.

Está na natureza. Será, que será?

O relatório “A Economia dos Ecossistemas e a Biodiversidade” tem 10 anos, porém suas conclusões são atuais e urgentes. Só no ano de 2019, três espécies vegetais e animais estão sendo varridas do planeta por hora.

Ursos polares saem a caça no Pólo Norte. A região posui menos biodiversidade, mas é salutar para o equilíbrio ecológico e climático do planeta.
Com menos diversidade que os trópicos, os polos são responsáveis por parte do equilíbrio ambiental mundial.

Nelton apontou que segundo o Panorama da Biodiversidade Global de 2010, a perda da biodiversidade por meio da sua extinção causa prejuízo de até US$ 4,5 trilhões por ano. Ou seja, a humanidade deixará de se beneficiar com possíveis tecnologias e ainda perderá o dinheiro dos serviços prestados ao planeta pelas espécies.

Animais, plantas seres humanos e as cores da diversidade da América Latina.
Quadro do Artista Plástico Poteiro, que mostra a integração entre seres humanos e a mata.

Segundo a WWF, se houver uma crise de biodiversidade, nossa saúde e meios de subsistência também entram em risco. E para o Brasil isso é ainda mais dramático.

Detentor de uma mega-biodiversidade, o Brasil detém entre 15 e 20% do número total de espécies do planeta. Brasileiras e brasileiros de diversas regiões dependem do extrativismo e dos produtos da natureza para trabalhar e se alimentar. A perda dos ecossistemas pode acarretar não só prejuízos econômicos, mas a extinção de diversas espécies, incluindo a humana.

Amazônia 4.0: a integração entre economia e biodiversidade

Friedrich recupera o cientista Carlos Nobre, um dos mais proeminentes pesquisadores sobre a análise dos impactos do desmatamento sobre o clima. Sua proposta é a bioeconomia, baseada na riquíssima biodiversidade do Brasil.

Carlos Nobre cientista, climatologista e protetor da biodiversidade.
Climatologista e membro titular da Academia Brasileira de Ciências. Carlos Nobre ganhou em 2016 prêmio concedido a pessoas que fizeram notáveis descobertas científicas sobre o meio ambiente e o desenvolvimento sustentável, o VOLVO ENVIRONMENT PRIZE.

Segundo Carlos Nobre, a floresta amazônica – responsável por grande parte da diversidade brasileira – é mais rentável em pé. E a saída econômica para a região deve ser baseada na ecologia.

Friederich preconiza que os caminhos econômicos passam por diversos pontos. “Floresta em pé, indústrias locais, produção de alimentos pela via agroflorestal e a restauração de áreas desmatadas”, afirma. E ainda arremata: “O mundo não vai superar sua crise fazendo exatamente o mesmo que o colocou nela”.

Atualiza Aí


Afinal, por que é tão importante que a gestão do FGTS continue com a Caixa Econômica?

A MP 889/19, apresentada ao Congresso Nacional pelo governo Bolsonaro, permite que a gestão do FGTS seja realizada por bancos privados. Mas o que isso significa? A gente explica!

Nobel de Economia vai para pesquisas de combate à fome

Comunicado do Comitê do Nobel diz que pesquisas “melhoraram consideravelmente a capacidade de combater a pobreza global”. Premiados são Abhijit Banerjee e Michael Kremer e Esther Duflo.

Pela primeira vez, Pronaf concede crédito para o manejo florestal comunitário familiar

Pela primeira vez, Pronaf destina crédito para Manejo Florestal Comunitário Familiar. Montante de R$ 850 mil vem do Banco da Amazônia (BASA)

Frente Parlamentar lança amanhã (15) estudo sobre reforma administrativa

Objetivo é fazer uma discussão equilibrada sobre o que está sendo elaborado pelo governo federal.

Multimídia


Afinal, por que é tão importante que a gestão do FGTS continue com a Caixa Econômica?

A MP 889/19, apresentada ao Congresso Nacional pelo governo Bolsonaro, permite que a gestão do FGTS seja realizada por bancos privados. Mas o que isso significa? A gente explica!

Flávio Dino ressalta a necessidade de uma reforma tributária

Flávio Dino (PCdoB/MA) esteve presente no lançamento da proposta de Reforma Tributária Justa, Solidária e Sustentável que ocorreu ontem em Brasília.

Reforma tributária da oposição quer tornar mais justa a cobrança de impostos no País

O lançamento da Reforma Tributária Justa, Solidária e Sustentável mostra que os partidos da oposição começaram a propor saídas para o Brasil.