Paulo Borges, ex-bancário do Banco do Estado do Rio de Janeiro ((BANERJ), fundador da Associação Nacional dos Participantes de Fundos de Pensão (ANAPAR) e assessor previdenciário da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (FENAE) alerta para o cenário projetado pela Nova Previdência: “O impacto não será sentido só na hora da concessão do benefício. O mercado de trabalho está em risco”.

A Nova Previdência – ou melhor, a velha e discutida Reforma da Previdência – está prestes a ser votada pelo Congresso Nacional. Especula-se que pode ser votada na comissão especial ainda nesta semana, antes do recesso do meio do ano.

Placa de um posto da previdência social e o que promete a Nova Previdência.

O relatório que alterou bastante a reforma proposta pelo governo ainda mantém muitas armadilhas que ainda não estão no radar dos trabalhadores e trabalhadoras, mas que podem impactar não só a concessão dos benefícios, mas também o mercado de trabalho.

Segundo o assessor previdenciário da FENAE, Paulo Borges, havia propostas no texto  original, como a capitalização e a desconstitucionalização, que mudavam completamente as características da Previdência Social brasileira. “Isso acabou chamando tanto a atenção que outras propostas gravíssimas se mantiveram no substitutivo e pouca gente se deu conta”, afirma.

A mudança da idade mínima para a aposentadoria para as mulheres e do tempo de contribuição para ambos os sexos são duas delas. Segundo Borges,  a maioria dos trabalhadores brasileiros, sobretudo os de baixa renda, não conseguem ter o tempo de contribuição mínimo para a aposentadoria quando chegam a idade mínima.

O segundo sexo, as primeiras prejudicadas

Ou seja, atualmente as mulheres podem se aposentar por idade aos 60 anos, porém só se aposentam de fato aos 62, quando conseguem completar os 15 anos de contribuição mínima. Se assumirmos que a mulher tem 30 anos de vida laboral, ela leva o dobro do tempo em que trabalha para conseguir alcançar a idade mínima.  

Essa mudança de 5 anos no tempo de contribuição na Nova Previdência, adiará em 10 anos a possibilidade de aposentadoria. E isso, para conseguir apenas 60% do benefício, já que para ter acesso aos 100% ambos os sexos devem contribuir por 40 anos. 

Aposentadoria integral? Talvez aos 140 anos!

Para os homens a situação também é dramática. A média de idade dos homens ao se aposentar é de quase 66 anos. Se um homem começou a trabalhar com 20 anos, significa que mesmo trabalhando por toda a vida, ele só conseguiu aos 45 anos de vida laboral, completar os 15 anos de contribuição

Ou seja, ele trabalhou a vida inteira, mas só conseguiu contribuir durante um terço da sua vida laboral. Com as mesmas contas simples é possível inferir que a idade para concessão do benefício de 60% será de 80 anos. Já para conseguir a aposentadoria integral precisará trabalhar até 140 anos!

Essa Nova Previdência…

O trabalhador que possui menos qualificação e salários mais baixos será o principal afetado, principalmente pela alta informalidade do mercado brasileiro. Um terço dos trabalhadores  chegam a idade mínima de aposentadoria com exatos 15 anos de contribuição. Mais um terço chega a idade mínima com entre 16 e 20 anos de contribuição.

Se a proposta de aumento para 20 anos de contribuição passar, ao menos dois terços dos trabalhadores não se aposentará, com 60% do benefício, com a idade mínima.

Como será o amanhã?

É muito possível que a mão de obra do aposentado fique mais barata para o empregador. Isso vai fazer com que haja uma competição voraz pelos empregos formais entre jovens que estão entrando no mercado de trabalho e aposentados

O sistema previdenciário pagará um benefício muito baixo, baseado em 100% de todas as contribuições,  que acabará servindo apenas como complementação de renda para os idosos.

Nova Previdência, velhos problemas

É daí que está vindo o grosso do dinheiro que o governo pretende economizar. Serão um trilhão de reais retirados dos bolsos mais pobres do país para pagar a dívida pública. O aumento da idade mínima de aposentadoria das mulheres, junto ao novo cálculo do valor do benefício, que considera 100% dos salários pagos e não das 80% maiores contribuições, mais a redução do valor das pensões e impossibilidade, ainda que em partes, de acumulação de benefícios, derrubará a renda dos idosos justo quando sua capacidade laboral é menor.

Atualiza Aí


Afinal, por que é tão importante que a gestão do FGTS continue com a Caixa Econômica?

A MP 889/19, apresentada ao Congresso Nacional pelo governo Bolsonaro, permite que a gestão do FGTS seja realizada por bancos privados. Mas o que isso significa? A gente explica!

Nobel de Economia vai para pesquisas de combate à fome

Comunicado do Comitê do Nobel diz que pesquisas “melhoraram consideravelmente a capacidade de combater a pobreza global”. Premiados são Abhijit Banerjee e Michael Kremer e Esther Duflo.

Pela primeira vez, Pronaf concede crédito para o manejo florestal comunitário familiar

Pela primeira vez, Pronaf destina crédito para Manejo Florestal Comunitário Familiar. Montante de R$ 850 mil vem do Banco da Amazônia (BASA)

Frente Parlamentar lança amanhã (15) estudo sobre reforma administrativa

Objetivo é fazer uma discussão equilibrada sobre o que está sendo elaborado pelo governo federal.

Multimídia


Afinal, por que é tão importante que a gestão do FGTS continue com a Caixa Econômica?

A MP 889/19, apresentada ao Congresso Nacional pelo governo Bolsonaro, permite que a gestão do FGTS seja realizada por bancos privados. Mas o que isso significa? A gente explica!

Flávio Dino ressalta a necessidade de uma reforma tributária

Flávio Dino (PCdoB/MA) esteve presente no lançamento da proposta de Reforma Tributária Justa, Solidária e Sustentável que ocorreu ontem em Brasília.

Reforma tributária da oposição quer tornar mais justa a cobrança de impostos no País

O lançamento da Reforma Tributária Justa, Solidária e Sustentável mostra que os partidos da oposição começaram a propor saídas para o Brasil.