Que passe longe de nós a tentativa de insinuar qualquer coisa, mas se o Macron disse, tá mais do que dito: a culpa pelas queimadas na Amazônia, direta ou indiretamente, cai no colo de Jair Bolsonaro.

via GIPHY

Junto com o prejuízo imensurável à fauna e à flora, a tragédia traz consequências negativas também para a economia brasileira. Enquanto o nosso presidente se preocupa em humilhar o país com comentários misóginos sobre a primeira-dama francesa, nossa economia corre o risco de ruir. Confira as principais ameaças:

1. Acordo Mercosul – União Europeia

Celebrado por Bolsonaro como um dos trunfos de sua gestão, o acordo comercial entre Mercosul e União Européia corre risco de acabar antes de começar. Depois de 20 anos de negociação, ele pode nem sair do papel graças ao Brasil. Na última sexta-feira (23), França e Irlanda já se recusaram a ratificar o acordo por causa das queimadas que ocorrem na Amazônia e da postura do governo brasileiro diante da situação.

via GIPHY

2. Outros acordos comerciais

Com a nossa imagem internacional mais destruída do que a floresta, fica difícil imaginar novas parcerias comerciais se tornando realidade num futuro próximo. Isso prejudica não só o Brasil, mas diversos outros países da América Latina.

via GIPHY

3. Barreiras aos produtos brasileiros

O economista Marcos Jank,  pesquisador sênior de agronegócio global no Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), alerta para o fato de que a crise internacional desencadeada pelas queimadas na Amazônia pode levantar novas barreiras à importação de produtos brasileiros, como carne e soja, entre as empresas europeias.


A Finlândia já solicitou à União Europeia a interrupção da compra da carne brasileira após os escândalos.

via GIPHY

via GIPHY

4. Pressão de produtores europeus

Os produtores europeus que competem com o Brasil nas vendas de proteína animal, por exemplo, podem fazer pressão para que os produtos brasileiros sejam boicotados e aumentar suas vendas locais.

via GIPHY

5. Entrada na OCDE

O pedido do Brasil para fazer parte da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico  (OCDE) também pode, é claro, ser afetado. A organização reúne 37 países desenvolvidos e parceiros dedicados ao desenvolvimento econômico.

Mas a entrada do Brasil, pleiteada ainda em 2017, depende da possibilidade de os membros da organização concordarem que o governo brasileiro está cumprindo recomendações internacionais, muitas delas ligadas à questão ambiental.

via GIPHY

via GIPHY

Para além disso, o Brasil sofre danos dificilmente reparáveis à sua imagem internacional. Com o perdão do trocadilho, a gente tá bem queimado na praça. Para o diplomata Rubens Ricupero, a crise é a pior dos últimos 50 anos e nós só vamos conseguir recuperar nosso prestígio “por milagre”.

via GIPHY

Atualiza Aí


Documento aponta diretrizes para uma reforma administrativa democrática

A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público se posicionou hoje (15) em relação à reforma administrativa proposta pelo governo do presidente Jair Bolsonaro.

Decreto inclui Casa da Moeda no programa de privatizações

A edição desta terça-feira (15) do DOU traz um decreto assinado por Bolsonaro que inclui a Casa da Moeda do Brasil no programa de privatizações.

Vozes Silenciadas na cobertura da Reforma da Previdência – Podcast #EP10

O EP10 aborda a cobertura da mídia durante o processo da Reforma da Previdência e como as opiniões contrárias foram silenciadas neste debate.

Multimídia


Flávio Dino ressalta a necessidade de uma reforma tributária

Flávio Dino (PCdoB/MA) esteve presente no lançamento da proposta de Reforma Tributária Justa, Solidária e Sustentável que ocorreu ontem em Brasília.

Reforma tributária da oposição quer tornar mais justa a cobrança de impostos no País

O lançamento da Reforma Tributária Justa, Solidária e Sustentável mostra que os partidos da oposição começaram a propor saídas para o Brasil.