As flores representam as trabalhadoras rurais presentes na Marcha das Margaridas. São uma homenagem à Margarida Alves, trabalhadora rural assassinada em frente a sua casa por exigir direitos trabalhistas.

Marcha das margaridas com representantes de todos os sotaques, todas as culturas, todos os povos.

Entre 13 e 14 de agosto, cerca de 80 mil mulheres de cada canto de Brasil estiveram reunidas em Brasília para dividir suas experiências sobre o trabalho no campo e reivindicar mais direitos. Além das brasileiras, aproximadamente 50 mulheres representantes de organizações de agricultura familiar de países da América do Sul, América Central, África, Europa e Ásia também estiveram presentes.

O evento é quadrienal e conta com o apoio de diversas organizações feministas, além de organizações de agricultura familiar, sendo a maior delas a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag).

Com o tema “Por um Brasil com soberania popular, democracia, justiça, igualdade e livre de violência” as mulheres se reuniram no pavilhão do Parque da Cidade, em Brasília, e passaram o dia 13 entre rodas de conversa organizadas pela direção do evento, apresentações culturais e a venda dos produtos vindos da produção de cada uma.

Economia feminista

Os produtos vendidos no pavilhão da cidade eram manufaturados. Ao invés da venda de frutas, geléias e compotas; ao invés da palha, biojóias; ao invés do côco, cosméticos; e assim por diante. As mulheres apresentavam orgulhosas o fruto do trabalho de cooperativas que geraram além de emprego e renda, independência financeira.

Econtro de saberes e sabores no Pavilhão do Parque da Cidade. Entre pimentas e cosméticos, mulheres vendem e compram produtos.

Segundo muitas delas, com as cooperativas foi possível obter uma renda maior, o que acarretou uma mudança de vida para as famílias, sobretudo para filhos e filhas.

Um novo campo, apesar dos pesares

As jovens presentes não possuíam o estereótipo de uma mulher do campo, ao contrário: eram desenvoltas, com celulares e câmeras na mão, fotografando o evento, movimentando as rodas de conversa e expressando sua cultura por meio das músicas e das danças.

A questão da violência foi bastante debatida e contou com a presença das Promotoras Legais Populares. Além da violência doméstica, ainda necessariamente debatida em todos os eventos de mulheres, a violência no campo estava em evidência.

Debates sérios ocorreram na concentração da Marcha das Margaridas no Pavilhão do Parque da Cidade.
Mulheres defendendo mulheres.

Os conflitos fundiários, o trabalho análogo à escravidão, a mão-de-obra infantil e outros temas ainda são observados na zona rural brasileira.

Na abertura do evento, mulheres de todo o Brasil se juntaram para ver apresentações que representavam os locais de onde vinham.

O aumento do desmatamento, a poluição dos rios pelos agrotóxicos, sementes transgênicas e outros assuntos que mudam a vida das trabalhadoras rurais e das extrativistas também foram pautas importantes e perpassaram não só a abertura do evento, como o ato.

Enfim, a Marcha das Margaridas

Às 7h da manhã, sob o sol forte do Centro-oeste, as mulheres começaram a marchar em direção ao Congresso, não sem antes juntarem-se às mulheres indígenas acampadas próximas à Funarte.

Sob o Sol muitas batucadas chamando as mulheres a defender seus direitos.

Aos milhares, unidas, cantando diversas músicas andaram cerca de 2km, e quando as primeiras mulheres chegaram ao destino, muitas ainda não haviam saído do ponto de partida, tão grande era o ato.

Sem nenhuma intercorrência, pacífica e gigante a Marcha das Margaridas passou pela parte central da Brasília ganhando a simpatia dos que não estavam no ato.
‘Nem uma a menos’ foi um movimento que teve início na Argentina e contagiou toda a América do Sul, cujos países tem altas taxas de feminicídios.

Na chegada ao Congresso Nacional, as Margaridas receberam o apoio de diversas e diversos congressistas. Deputadas e deputados às saudaram nos carros de som e também no chão.

As Margaridas homenageiam Margarida Alves vestindo lilás e ostentando seus chapéus de palha, um símbolo das pessoas do campo.

Mini-Reforma Trabalhista foi tema de protestos

A recém-aprovada Medida Provisória 881 – ou como têm sido chamada a “Mini-Reforma Trabalhista” – foi alvo de protestos na Marcha. A matéria, que terá destaques votados nesta quarta na Câmara dos Deputados, foi comentada pelo deputado federal Carlos Zarattini.

Deputado Zarattini fala sobre liberdade econômica e direitos trabalhistas.

Atualiza Aí


Documento aponta diretrizes para uma reforma administrativa democrática

A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público se posicionou hoje (15) em relação à reforma administrativa proposta pelo governo do presidente Jair Bolsonaro.

Decreto inclui Casa da Moeda no programa de privatizações

A edição desta terça-feira (15) do DOU traz um decreto assinado por Bolsonaro que inclui a Casa da Moeda do Brasil no programa de privatizações.

Vozes Silenciadas na cobertura da Reforma da Previdência – Podcast #EP10

O EP10 aborda a cobertura da mídia durante o processo da Reforma da Previdência e como as opiniões contrárias foram silenciadas neste debate.

Multimídia


Flávio Dino ressalta a necessidade de uma reforma tributária

Flávio Dino (PCdoB/MA) esteve presente no lançamento da proposta de Reforma Tributária Justa, Solidária e Sustentável que ocorreu ontem em Brasília.

Reforma tributária da oposição quer tornar mais justa a cobrança de impostos no País

O lançamento da Reforma Tributária Justa, Solidária e Sustentável mostra que os partidos da oposição começaram a propor saídas para o Brasil.