Com a derrota esmagadora do atual Presidente da Argentina, Mauricio Macri, para a chapa Alberto Fernández e Christina Kirchner nas eleições prévias da Argentina, o pânico no mercado contrasta com a esperança nas urnas.

Sob Macri a Argentina viu aumentar a fome. Desde o início do governo do liberal do atual presidente, o preço do litro de leite variou de 10,50 pesos (cerca de R$ 0,95) para 40 pesos (cerca de R$ 3,60). No mesmo período, o gás de cozinha subiu mais de 1.000%.

Mapa das eleições de 2015 na Argentina.
Com ampla maioria, as ideias liberais de Macri ganharam a Argentina em 2015.
Macri em Amarelo, Kirchner em Azul.

As cifras do último período referentes ao país são dramáticas. Entre 2017 e 2018, 2,7 milhões de argentinos foram empurrados para baixo da linha da pobreza. Os dados são tão desesperadores que o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) emitiu um alerta em relação às crianças e adolescentes do país. Números da agência da Organização das Nações Unidas mostram que 42% das crianças e adolescentes da Argentina estão vivendo abaixo da linha da pobreza.

Não são só crianças e adolescentes que estão vendo seu futuro em risco, idosos estão recebendo um baixíssimo benefício de aposentadoria. 70% dos oito milhões de aposentados recebem o equivalente a R$ 940 como aposentadoria. Isso equivale, na Argentina, à metade de um salário mínimo.

‘Cuántos desengaños por una cabeza’

Mesmo em um cenário de empobrecimento os institutos de pesquisa argentinos, sobretudo os privados, davam a vitória à Macri nas eleições de 2019. Isso fez com que seu governo se sentisse à vontade para endividar o país com o Fundo Monetário Internacional (FMI) em US$  57 bilhões, o maior empréstimo da história à Argentina.

O resultado, por sua vez, veio antes das eleições. A prévia que ocorreu neste domingo, 11, mostrou que o Presidente Macri é mal avaliado pela população, como o demonstrado pela diferença de 15 pontos percentuais em relação ao vencedor da disputa, Alberto Fernández.

‘Hago apuestas’

Imagem: Minuto Uno
Mapa eleitoral das prévias de 2019. Macri em amarelo, vence apenas na cidade de Buenos Aires e Córdoba. Em azul, Fernández tem ampla maioria no país.

Macri foi eleito para ‘liberalizar’ a economia argentina. Os resultados de suas políticas econômicas são o aumento da pobreza, da inflação e a desvalorização da moeda, o Peso.

A população do país, sobretudo fora da provícia de Buenos Aires – única região em que Macri ganhou – quis o fim das políticas de austeridade pela volta do crescimento do país e pela melhoria das condições de vida.

O mercado reagiu desvalorizando ainda mais a moeda e as empresas do país, como um espécie de chantagem sobre o seu povo. Resta torcer para que as apostas dos nossos ‘hermanos’ melhorem suas condições de vida e tragam novos ventos à América do Sul.

Com informações de GGN .

Atualiza Aí


Caixa Cultural de São Paulo tem programação especial para o Carnaval

Oficina “Carnaval na Caixa – da história à confecção de adereços” acontece de 22 a 25 de fevereiro, às 9h30 e 14h30. A entrada é gratuita.

Carnaval: veja como fugir de golpes com seu cartão de crédito

Cuidado com o golpe! Muitas quadrilhas aproveitam as multidões e a distração dos foliões para trocar os cartões de crédito no momento dos pagamentos.

Tensões entre Guedes e Bolsonaro marcam começo de 2020

Como pano de fundo, houve divergências sobre o conteúdo e o ritmo de apresentação da agenda econômica do governo neste ano.

Multimídia


Entidades se reúnem em defesa do estatuto da Funcef

Entidades entregaram ao Conselho Deliberativo da Funcef uma petição com 21,7 mil assinaturas de aposentados de todo o País.

Sérgio Mendonça: o papel dos Bancos Públicos na economia

Economista Sérgio Mendonça participou do programa Crivelli Convida com o advogado Ericson Crivelli.