Não é novidade para ninguém que os Bancos Públicos do Brasil sempre financiaram o esporte e os atletas brasileiros. No entanto, desde que assumiu, Bolsonaro também passou com seu trator por cima desses investimentos.

Na manhã desta quarta-feira (19), o presidente da república assinou, ao lado do presidente da Caixa, Pedro Guimarães, um Termo de Compromisso entre a Caixa e o Comitê Paralímpico Brasileiro para anunciar investimentos que eram feitos há décadas e vêm sendo limados com a anuência de Guimarães.

Entre lágrimas de crocodilo dos 2 envolvidos e também de João Dória, governador de São Paulo, Bolsonaro e Pedro Guimarães esqueceram-se de avisar a população que a Caixa deixou de patrocinar, só neste ano, 25 clubes de futebol. Além disso, houve cortes expressivos na área das corridas de rua, projetos sociais e eventos pontuais, que receberam R$ 31 milhões no ano passado.

Esqueceram-se também de mencionar o atraso de repasses. O próprio Comitê Paralímpico Brasileiro, segundo reportagem da Folha de S. Paulo, recebeu neste ano apenas as verbas relativas ao mês de março. Uma das entidades a se pronunciar publicamente sobre os atrasos da Caixa foi a Liga Nacional de Basquete.

O evento desta quarta (18), voltado para os empregados, ocorreu sob forte esquema de segurança e sem a presença de nenhum entidade de representantes dos funcionários. O dirigente sindical Francisco Pugliese relata ter sido impedido de participar. Segundo ele, alguns dos gerentes gerais e superintendentes alegam ter sido convocados a estar presentes.

Francisco diz que, historicamente, a Caixa patrocina o esporte brasileiro, Paralímpico e Olímpico, e que os cortes foram feitos há aproximadamente um ano, sob a gestão do presidente Temer.

Essa ação de marketing tão vultuosa ocorre em meio a duas situações importantes pela qual o Banco Público está passando: o PDV, em que 2.228 empregados se desligaram da Caixa só em 2018, e a necessidade de contratar pessoas com deficiência requerida e deferida na justiça em ação movida pela FENAE e Contraf- CUT.

O sindicalista afirma que a contratação de 2000 pessoas com deficiência, anunciada hoje durante o evento, por Pedro Guimarães é uma ação de marketing, já que “essas contratações não chegarão aos 5% de pessoas com deficiência que a Caixa deve ter por lei, e não são em número suficiente para atender as demandas do Banco com efetividade”.

Apoiador do papel social da Caixa, e favorável à pauta do investimento no esporte , Francisco pondera: “Tirar empregados das suas funções em uma véspera de feriado para fazer publicidade do governo, é uma ação bastante questionável no quadro de sobrecarga em que estamos”.

Atualiza Aí


Carnaval: veja como fugir de golpes com seu cartão de crédito

Cuidado com o golpe! Muitas quadrilhas aproveitam as multidões e a distração dos foliões para trocar os cartões de crédito no momento dos pagamentos.

Tensões entre Guedes e Bolsonaro marcam começo de 2020

Como pano de fundo, houve divergências sobre o conteúdo e o ritmo de apresentação da agenda econômica do governo neste ano.

Carnaval: confira o horário dos bancos

Agências bancárias não irão funcionar na segunda e terça de Carnaval. Na quarta-feira de cinzas, o expediente começa às 12h.

Multimídia


Entidades se reúnem em defesa do estatuto da Funcef

Entidades entregaram ao Conselho Deliberativo da Funcef uma petição com 21,7 mil assinaturas de aposentados de todo o País.

Sérgio Mendonça: o papel dos Bancos Públicos na economia

Economista Sérgio Mendonça participou do programa Crivelli Convida com o advogado Ericson Crivelli.