A Black Thursday, ou quinta-feira negra, foi o momento em que a maior economia do mundo foi forçada a reavaliar o liberalismo econômico.

A Black Thursday começou em Nova Iorque e jogou o mundo em uma Grande Depressão.

A bolsa de valores de Nova Iorque, assim como a estátua da Liberdade, é um dos ícones dos Estados Unidos. A estátua mostra o poder cultural; a bolsa, o símbolo do poderio econômico dos EUA sobre as outras nações.

A Black Thursday, ou quinta-feira negra, refere-se ao dia 24 de outubro de 1929, quando ocorreu a quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque, ocasionando uma grave crise econômica na história dos Estados Unidos. Foi o momento em que a maior economia do mundo foi forçada a reavaliar o liberalismo econômico.

A história da Dow Jones foi de sucesso até o ano de 1929, quando quebrou, causando uma crise sem precedentes nos Estados Unidos. Naquela quinta-feira, o índice Dow Jones – que é um dos principais indicadores do mercado norte-americano – caiu 11% na abertura do pregão.

Lei Seca, Jazz e muita escassez: o cenário dos EUA nos anos 20

A economia norte-americana ia bem. Porém, após a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) a crise econômica começou a se desenhar. Nos Estados Unidos houve uma forte migração para as cidades, que ofereciam empregos nas indústrias em oposição ao campo, que via os produtos agrícolas se desvalorizarem.

Essa desigualdade desembocou em um crescimento desordenado da produção e do crédito, mas não na demanda. A culpa disso foi a má distribuição do poder de compra. Enquanto industriais conseguiam empréstimos para aumentar suas fábricas e sua produção, os salários baixos impossibilitavam o acesso dos trabalhadores a esses bens, fazendo-os recorrer a empréstimos.

O cenário exterior também começou gradativamente a ser um problema para a economia mais poderosa do mundo. Houve a diminuição do comércio por conta da criação e aumento das tarifas alfandegárias. Além desse fato, as economias europeias deviam aos bancos americanos depois da guerra e pressionavam pelo perdão dos seus débitos.

Isso desembocou no grande endividamento dos fazendeiros e da classe trabalhadora, assim também como dos grandes capitalistas. Os juros baixos combinados aos rendimentos insuficientes eram um convite aos empréstimos. Nessa época, cerca de cinco mil bancos fecharam, e, mesmo os bancos abertos, praticavam políticas fiscais que não eram saudáveis.

Os jornais da época anunciaram a Black Thersday.

A Black Thursday foi o primeiro aviso. E veio tarde demais

Há 90 anos, em uma quinta-feira, antes do expediente da bolsa Dow Jones já havia um enorme pessimismo no ar. Em um jornal de grande circulação, o Washington Post, a manchete dizia que a imensa venda de ações precedia um colapso dos estoques da produção.

A bolsa abriu com 305.85 pontos, mas apresentou uma queda de 11% durante o dia. Os maiores bancos dos EUA na época, Morgan Bank, o Chase National Bank e o National City Bank de Nova Iorque, fizeram uma transação arriscada, comprando as ações para restaurar a confiança na economia. Ao final da quinta-feira, a bolsa havia caído apenas 2%, mas o estrago estava feito.

Mesmo com a imensa compra feita pelos bancos na quinta-feira, seguiu-se o pessimismo e a venda de ações chegou ao ápice durante o período fazendo com que o índice Dow Jones só se recuperasse em 1954.

A Black Thursday inaugurou a era da Grande Depressão que assolou a economia mundialmente.

Entre 10 e 11 de agosto a Caixa Cultural receberá os grupos de fanfarra mais animados de Brasília. Serão apresentações e oficinas para todas as idades, e pra mostrar que a capital federal tem musicalidade e bom humor pra dar, e… dar de graça.

Vai quem fica tocará na Caixa Cultural.

Vai Quem Fica é um bloco de Carnaval famoso em Brasília. Como o próprio nome diz, foi criado para que os que ficam em Brasília no Carnaval possam cair na folia também.

“O Vai quem fica é um grupo de amigos que tocava samba e se inspirou no bloco ‘Cordão Umbilical’ do Rio de Janeiro depois que um dos nossos amigos ficou ‘grávido’. Saímos de manhã para que todos possam curtir um clima familiar, levar as crianças e brincar nas ruas da Asa Norte.”, afirma Giuliana Hernandes Córes, tocadora de caixa, pandeiro e percussão.

Giuliana fala que o repertório é bem variado. “Desde marchinhas tradicionais, até Jazz e Milton Nascimento. O foco é transitar entre as músicas com qualidade de fanfarra”, declara.

Vai quem fica fechando o Carnaval de Brasília.

Já o Calango Careta surgiu em 2015 também como um bloco de rua no carnaval. E, segundo suas redes sociais, “hoje é um coletivo que respira essa tradicional manifestação cultural popular por meio da música, do circo e do teatro. “


O Tropicaos é o mais jovem do grupo, mas chegou para valorizar os sucessos de protesto da Tropicália e colocá-los naquele ritmo que faz todo mundo dançar.

Sob o sol do Cerrado, o Tropicaos e os outros blocos sempre tocam pelas ruas.

Os três estarão presentes no evento realizado na Caixa Cultural no dias 10 e 11 de agosto, que contará com música, oficinas de fantasias, perna e pau e bambolê e, de quebra, circo e dança.

O evento ainda contará com o Capivara Brass Band, cujo trombonista Bruno Portella fará uma palestra sobre o ‘neofanfarrismo’.

Capivara Bass Band também é cria de Brasília.

Acompanhe!

Sábado (10)

  • 10h – Oficina de perna de pau
  • 11h – Oficina de perna de pau
  • 11h – Oficina de bambolê
  • 12h30 – Oficina de agbê (xequerê)
  • 13h – Oficina de criação de fantasia
  • 13h30 – Oficina de circo
  • 15h – Apresentação da fanfarra Capivara Brass Band
  • 16h – Apresentação da fanfarra Orquestra Camaleônica do Calango Careta
  • Local: Caixa Cultural – Setor Bancário Sul, Lotes 3/4, Qd. 4
  • De graça

Domingo (11)

  • 10h – Oficina de perna de pau
  • 10h – Oficina de criação de fantasia
  • 11h – Oficina de perna de pau
  • 12h – Oficina de agbê (xequerê)
  • 12h30 – Oficina de bambolê
  • 13h – Oficina de circo
  • 14h – Palestra “Entendendo as bandas e fanfarras”, com Bruno Portella (Capivara Brass Band)
  • 15h – Apresentação da fanfarra Vai Quem Fica
  • 16h30 – Apresentação da fanfarra Tropicaos

Serviço

Endereço: Caixa Cultural, Setor Bancário Sul, Lotes 3/4, Qd. 4

Data: 10 e 11 de agosto, a partir das 10h da manhã

Indicação etária: Livre

Valor: Gratuito

Atualiza Aí


Governo prevê estrangular serviços para forçar reforma

A não realização dos concursos pode fazer com que parcelas dos atuais servidores não só se oponham ao projeto, mas também passem a apoiá-lo.

Mercado segue desaminado com a economia brasileira

Relatório Focus, divulgado nesta segunda-feira (17), mostra que a previsão do mercado sobre a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) caiu para 2,23%.

Receita paga hoje (17) restituição do lote residual do Imposto de Renda

Crédito bancário será feito para 116.188 contribuintes, somando mais de R$ 297 milhões. Os valores são referentes aos exercícios de 2008 a 2019.

Multimídia


Entidades se reúnem em defesa do estatuto da Funcef

Entidades entregaram ao Conselho Deliberativo da Funcef uma petição com 21,7 mil assinaturas de aposentados de todo o País.

Sérgio Mendonça: o papel dos Bancos Públicos na economia

Economista Sérgio Mendonça participou do programa Crivelli Convida com o advogado Ericson Crivelli.