Durante o 30º Congresso Nacional de Funcionários do Banco do Brasil e o 35º Congresso Nacional dos Trabalhadores da Caixa (CONECEF), funcionários dos dois maiores bancos públicos do Brasil se uniram na noite desta quinta, 1º, qem defesa das instituições e em homenagem a Olivan Justino, trabalhador do Banco do Brasil que faleceu ontem, na Bahia.


Olivan Faustino faleceu ontem, quarta-feira, 31, na cidade de Juazeiro, na Bahia. Era bancário do Banco do Brasil e um lutador social que será lembrado por sua solidariedade e capacidade de diálogo.

Juntos contra o retrocesso

Os retrocessos impostos pelo novo governo e pelos presidentes dos dois bancos públicos juntaram Caixa e Banco do Brasil em um auditório na Zona Norte de São Paulo para defender todas as instituições públicas, mas principalmente os bancos públicos.

Em uma mesa composta por mais de 20 pessoas e um auditório lotado, apesar do avançado da hora, os dirigentes retomaram a história do movimento e falaram da necessidade de seguir resistindo e lutando cada vez mais contra as privatizações e o desmembramento das instituições públicas.

Resistência contra o desmonte dos bancos públicos

A deputada Erika Kokay (PT-DF), funcionária histórica das lutas dos empregados da Caixa, foi aplaudida de pé ao dizer que o Brasil tem história de luta contra governos adeptos das privatizações de empresas públicas.

“Nós temos um projeto de desenvolvimento nacional. Esse Brasil filho da Casa Grande e Senzala, elegeu um operário que dizia que a fome não é natural, que colocou o pobre no orçamento”, disse.


“Querem arrancar nossas vozes, nossas organizações e nossos risos, estamos aqui de peito pulsante pra dizer que este país é filho de Zumbi dos Palmares, de Chico Mendes, de Margarida Alves. E que luta e vai lutar como Marielle, porque vamos preservar nossas instituições e vamos resistir. Aqui, neste momento, ninguém vai soltar a mão de ninguém”, declarou sendo ovacionada pelo auditório lotado.

Bolsonaro e Paulo Guedes unidos contra instituições públicas

A articulação entre o presidente Bolsonaro, o ministro Paulo Guedes e os presidentes da Caixa, Pedro Guimarães, e do Banco do Brasil, Rubem Novaes, segue forte no sentido do desmonte. Isso motiva que os trabalhadores se unam sem distinção na defesa dos Bancos Públicos.

O deputado Zé Carlos (PT-MA), presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Bancos Públicos, declarou que vai rodar o Brasil denunciando os desmontes. “Quem paga a conta das privatizações é o povo brasileiro. Como presidente da Frente, me coloco à disposição pra percorrer o Brasil com vocês pra denunciar o que está por trás desse governo e as ameaças que sofremos”, finalizou.

A importância dos bancos públicos e a polêmica do FGTS

A urgência no esclarecimento da população com relação à importância dos Bancos Públicos na sociedade brasileira foi ressaltada em diversas falas. O tom de unidade permeou o evento. E a criminalização dos movimentos sociais e o corte em programas salutares, como é o caso do Bolsa Família, foram denunciados.

A ideia de avisar à população sobre essa luta durante as próximas semanas, durante o período em que será feito o saque do FGTS foi levantado e avaliado como oportuno pelos presentes.

Fenae e ANABB marcaram presença na mesa e reafirmaram sua importância na organização dos funcionários nesse momento de luta. Jair Pedro Ferreira, presidente da Fenae, relembrou histórias de resistências.

“Nós fizemos congressos com demitidos, eles foram readmitidos, vencemos. Vamos ter um pouco de dificuldades agora nesse momento, mas se atuarmos em conjunto defendendo a democracia e a soberania venceremos novamente”, afirmou.

O anúncio feito nesta quarta, 24, da liberação de valores de até R$ 500 de contas ativas e inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para saque preocupa os empregados da Caixa Econômica e os sindicatos.

Caixa não orientou funcionários

Em grupos fechados de WhatsApp, funcionários se mostram apreensivos com a falta de informação por parte da administração da Caixa. Estima-se que a medida atinja 100 milhões de contas do Fundo e, um dia após o anúncio, os funcionários ainda não têm claro como será o processo para poder orientar a população adequadamente.

Soma-se a isso o fato de que o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, declarou durante o anúncio que os funcionários da instituição cumprirão expediente aos finais de semana durante seis meses para dar conta da demanda.

Empregados aguardam recebimento de horas extras desde 2017

Dionísio Reis, coordenador da Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa) e diretor do Sindicato dos Bancários de São Paulo, relata que os empregados do banco esperam até hoje o pagamento das horas extras trabalhadas quando o governo de Michel Temer liberou valores das contas inativas do FGTS para saque, em 2017.

“Eles trabalharam aos sábados, durante dois meses, se empenharam e fizeram pagamentos em agências lotadas, pois o anúncio foi feito logo após o primeiro PDVE (Programa de Demissão Voluntária Extraordinário), o que piorou a situação com a diminuição do quadro de empregados”, diz.

Agora, a história poderá se repetir. A Caixa lançou, em maio, um novo Programa de Demissão Vonluntária (PDV) para atingir até 3.500 empregados. Dois meses depois, participará dessa mega operação anunciada pelo governo, já que é operária dos recursos do FGTS, que somam mais de R$ 500 bilhões em ativos.

Para Dionísio, essa é uma “artimanha desse governo para desmonte da Caixa, para jogar a população contra o banco público. Eles vão fazer um movimento de reestruturação do banco, com desligamento de 3.500 funcionários, e abrir o banco para 100 milhões de pessoas fazerem saque, com trabalho extenuante dos empregados aos sábados e domingos”, explica.

No entanto, hoje, após o anúncio da liberação de recursos do FGTS, a Caixa suspendeu o PDV de 2019, segundo Dionísio. Até o fechamento desta matéria, não havia nota oficial sobre a suspensão.

Sobrecarga de trabalho

Jair Ferreira, presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (FENAE), reforça o que ele chama de “perplexidade” dos funcionários da Caixa diante da falta de informações em meio a uma operação tão grande. “As regras não estão claras. Da forma como estão anunciando, as pessoas estão sem saber como sacar esse dinheiro. E até aqui não tem demonstração da empresa de que isso está preparado, de que existe planejamento”, diz.

Ele também reafirma que essa é uma forma de “desgastar a imagem da empresa”, já que não são oferecidos instrumentos para que os funcionários atendam a população com agilidade e forneçam informações corretas. Ele também ressalta o desgaste dos funcionários diante do volume alto de trabalho. “Eles já têm sobrecarga porque já tem menos gente pra atender a população. Então, a mão-de-obra fica mais escassa ainda, aí vão fazer o discurso de que a Caixa não tem como atender a população”, finaliza.


A Caixa anunciou que vai liberar o cronograma para saque de valores até R$ 500 no dia 5 de agosto.

Atualiza Aí


Afinal, por que é tão importante que a gestão do FGTS continue com a Caixa Econômica?

A MP 889/19, apresentada ao Congresso Nacional pelo governo Bolsonaro, permite que a gestão do FGTS seja realizada por bancos privados. Mas o que isso significa? A gente explica!

Nobel de Economia vai para pesquisas de combate à fome

Comunicado do Comitê do Nobel diz que pesquisas “melhoraram consideravelmente a capacidade de combater a pobreza global”. Premiados são Abhijit Banerjee e Michael Kremer e Esther Duflo.

Pela primeira vez, Pronaf concede crédito para o manejo florestal comunitário familiar

Pela primeira vez, Pronaf destina crédito para Manejo Florestal Comunitário Familiar. Montante de R$ 850 mil vem do Banco da Amazônia (BASA)

Frente Parlamentar lança amanhã (15) estudo sobre reforma administrativa

Objetivo é fazer uma discussão equilibrada sobre o que está sendo elaborado pelo governo federal.

Multimídia


Afinal, por que é tão importante que a gestão do FGTS continue com a Caixa Econômica?

A MP 889/19, apresentada ao Congresso Nacional pelo governo Bolsonaro, permite que a gestão do FGTS seja realizada por bancos privados. Mas o que isso significa? A gente explica!

Flávio Dino ressalta a necessidade de uma reforma tributária

Flávio Dino (PCdoB/MA) esteve presente no lançamento da proposta de Reforma Tributária Justa, Solidária e Sustentável que ocorreu ontem em Brasília.

Reforma tributária da oposição quer tornar mais justa a cobrança de impostos no País

O lançamento da Reforma Tributária Justa, Solidária e Sustentável mostra que os partidos da oposição começaram a propor saídas para o Brasil.