Em entrevista para o canal À Esquerda, Sérgio Mendonça e Tereza Campello falam sobre como a volta do Brasil ao Mapa da Fome da FAO expõe uma verdade inconveniente: o aumento da pobreza e da desigualdade estão intrinsecamente ligados e são frutos da política de austeridade.

Economia é menos parecida com um jogo de RPG do que se imagina: não a fada que dê jeito sem a ação do estado.
Nem mão invisível nem fada da confiança, para um país crescer é necessário investimento público.

A fome como escolha política

O Brasil sempre foi um grande produtor de alimentos. Porém, a fome esteve historicamente presente na nossa paisagem cotidiana. Se não há falta de comida, por que nem todos os brasileiros a tem na mesa?

Somente em 2014 o Brasil saiu do Mapa da Fome da Organização das Nações Unidas (ONU). Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), em 2003 havia 9% de população no Brasil em insegurança alimentar – ou seja, em situação de desnutrição crônica. De forma sistemática e permanente, esse número caiu durante toda a década e em 2014 chegou a 1,7%. Dados posteriores ainda dão conta de que já houve no país menos de 1% dos brasileiros passando fome.

Com a volta da austeridade o patamar de pessoas com fome voltou para 2,5 milhões, e mais de cinco milhões de brasileiros estão em situação de insegurança alimentar. Em entrevista, Tereza Campello, ex-ministra do Desenvolvimento Social é categórica: “Não podemos aceitar e conviver com a fome em nenhum caso. Principalmente porque é possível eliminá-la.”

Economicamente viável, moralmente aceitavel, éticamente factível

Sérgio Mendonça, ex-Dieese e atual coordenador do Reconta aí, falou sobre os fatores econômicos que possibilitaram o Brasil sair do Mapa da Fome em 2014: “Vivemos de um período de crescimento econômico muito favorável entre 2003 e 2008 e mesmo após a crise, o Brasil seguiu crescendo. Foi em 2014 que tivemos uma pequena taxa de crescimento, e comparado ao que temos hoje foram resultados muito favoráveis”, relembrou o economista.

Porém, o próprio economista ressaltou que as causas da redução da pobreza – e, consequentemente, da fome – também tiveram forte componente político: “Não foi só o boom das commodities que possibilitou o Brasil sair do Mapa da Fome. Não foi acidental. Houve um impulsionamento de políticas econômicas e públicas que fizeram crescer o mercado interno, como a geração de emprego e renda e elevação do valor real do salário mínimo”, declarou Sérgio.

Mitologia liberal é historinha de economista para o povo dormir

Segundo Sérgio, não há como sair da crise atual sem o estado: “A austeridade expansionista não existe. Eles propõe que se você cortar o gasto, controlar o déficit e a dívida a ‘fada da confiança’ fará com que o investimento privado venha e faça o país crescer.”

Se não houver investimento das estatais e a volta do crédito público, nenhuma ‘fada da confiança’ ou reformas que retiram direitos farão com que o investimento privado venha e que o Brasil volte a crescer.

Assista!

Confira o debate!

Atualiza Aí


Caixa Cultural de São Paulo tem programação especial para o Carnaval

Oficina “Carnaval na Caixa – da história à confecção de adereços” acontece de 22 a 25 de fevereiro, às 9h30 e 14h30. A entrada é gratuita.

Carnaval: veja como fugir de golpes com seu cartão de crédito

Cuidado com o golpe! Muitas quadrilhas aproveitam as multidões e a distração dos foliões para trocar os cartões de crédito no momento dos pagamentos.

Tensões entre Guedes e Bolsonaro marcam começo de 2020

Como pano de fundo, houve divergências sobre o conteúdo e o ritmo de apresentação da agenda econômica do governo neste ano.

Multimídia


Entidades se reúnem em defesa do estatuto da Funcef

Entidades entregaram ao Conselho Deliberativo da Funcef uma petição com 21,7 mil assinaturas de aposentados de todo o País.

Sérgio Mendonça: o papel dos Bancos Públicos na economia

Economista Sérgio Mendonça participou do programa Crivelli Convida com o advogado Ericson Crivelli.