Neste domingo pela manhã teve sequência o último dia da 21º Conferência Nacional dos Bancários. A mesa da manhã teve como discussão as mudanças nas formas de trabalho impactadas e criadas pelas novas tecnologias.

O primeiro palestrante foi o pesquisador e economista Marcio Pochmann que fez um resgate histórico das mudanças sociais e nas formas de trabalho geradas pela tecnologia desde a primeira revolução tecnológica, no século XVIII.

O economista Marcio Pochmann fala sobre a precarização do trabalho na atualidade.


Ele disse que o tema vem causando enorme desconforto na sociedade e nos fóruns de discussão. As mudanças tecnológicas têm sido responsabilizadas pelo quadro desfavorável do mercado de trabalho.


Segundo estudos do Fórum Econômico de Davos, a Revolução 4.0 pode ser responsável pela eliminação de 65% dos postos de trabalho. Mesmo a Organização Internacional do Trabalho (OIT) aceita essa narrativa de que a transformação tecnológica é a responsável pela redução desses postos.


Para Pochmann, hoje, a jornada de trabalho do jovem que trabalha e estuda é parecida com aquela do século XIX. Além disso, não existe mais a fronteira do espaço físico para limitar o tempo de trabalho. “Com o salto tecnológico, hoje, trabalhamos com forma mais extensiva e mais intensiva, fora do local de trabalho. Há mais ganho e como isso é distribuído? Isso permitiria uma jornada de trabalho muito menor do que conhecemos, tempo maior de férias e garantia de renda, por exemplo”, explicou.

Para finalizar, ele deixou a reflexão de que com as novas tecnologias, é necessário pensar o trabalho sob uma nova agenda. “A sociedade do conhecimento pressupõe estudar a vida toda. Precisamos olhar o futuro como espaço de maior formação. Precisamos levar em conta um futuro de trabalho imaterial, com uma outra agenda”, afirmou.

Vivian Machado, economista do Dieese, fala sobre a questão da tecnologia na vida dos bancários

Tecnologias também impactam política e socialmente

Em seguida, Gustavo Machado Cavarzan, do Dieese, apresentou uma pesquisa com dados sobre o trabalho bancário ligado à organização sindical. Segundo dados do Caged – MTE, desde 2012, os bancos extinguiram 60 mil postos de trabalho no Brasil. Caixas e escriturários foram os mais atingidos.

José Eymard Loguércio, que é advogado, apresentou também um panorama histórico do movimento de formação dos sindicatos e do papel dessas organizações nas lutas dos trabalhadores ao longo da história, passando pelos diferentes governos.

Segundo Eymard, houveram ciclos de ganhos e retrocessos na luta dos trabalhadores. A ‘escolha’ dos trabalhadores e trabalhadoras entre o FGTS e a estabilidade no emprego, foi o exemplo citado. O advogado trouxe informações históricas sobre como a imprensa foi extensamente utilizada como fonte de desinformação sobre o tema a mando de governos autoritários.

A discussão terminou com perguntas e colocações dos presentes. A pluralidade das manifestações foi garantida pela paridade entre mulheres e homens, uma regra para bancárias e bancários. O uso das tecnologias é um dos principais temas do trabalho bancário, o que foi comprovados nas experiências relatas na falas.

Atualiza Aí


Carnaval: veja como fugir de golpes com seu cartão de crédito

Cuidado com o golpe! Muitas quadrilhas aproveitam as multidões e a distração dos foliões para trocar os cartões de crédito no momento dos pagamentos.

Tensões entre Guedes e Bolsonaro marcam começo de 2020

Como pano de fundo, houve divergências sobre o conteúdo e o ritmo de apresentação da agenda econômica do governo neste ano.

Carnaval: confira o horário dos bancos

Agências bancárias não irão funcionar na segunda e terça de Carnaval. Na quarta-feira de cinzas, o expediente começa às 12h.

Multimídia


Entidades se reúnem em defesa do estatuto da Funcef

Entidades entregaram ao Conselho Deliberativo da Funcef uma petição com 21,7 mil assinaturas de aposentados de todo o País.

Sérgio Mendonça: o papel dos Bancos Públicos na economia

Economista Sérgio Mendonça participou do programa Crivelli Convida com o advogado Ericson Crivelli.