Pular para o conteúdo principal

'Superpedido' de impeachment será protocolado nesta quarta (30)

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Um grupo formado por organizações, movimentos sociais, parlamentares, partidos políticos de oposição e ex-aliados do governo federal vai protocolar nesta quarta-feira (30), na Câmara dos Deputados, um pedido de impeachment unificado contra o presidente Jair Bolsonaro.

O "superpedido" de impeachment - como ficou conhecido - se juntará a outros 122 pedidos que aguardam andamento. Entretanto, o diferencial desta peça é a quantidade de pessoas signatárias e suas diferenças político-partidárias.

Marcada para 15h, a entrega do pedido de impeachment será acompanhada de entrevista coletiva no Salão Verde da Câmara dos Deputados e de protestos - marcados pela campanha Fora Bolsonaro - na frente do Poder Legislativo Federal.

Leia também:
- Senadores denunciam Bolsonaro no STF
- Atos Fora Bolsonaro ganham força com descobertas da CPI da Covid

Talíria Petrone (Psol/RJ), deputada federal e uma das articuladoras do superpedido, afirma que amplos setores da sociedade se convenceram da necessidade de derrubar Jair Bolsonaro. “Os últimos depoimentos na CPI da Pandemia no Senado explicitam que temos um governo corrupto, que já dava sinais antes de ser um governo corrupto, mas que agora se evidencia com possível superfaturamento de vacinas no meio de uma crise sanitária sem precedentes", disse.

"O impeachment está na ordem do dia para que se interrompa uma série de violações aos direitos do povo. Já são mais de meio milhão de mortos por covid e isso já deveria ser motivo para a tirar o presidente do Palácio do Planalto. Vidas perdidas por negligência deveriam ser suficientes para interrompê-lo”.

O superpedido de impeachment

A ação foi feita a partir da elaboração da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD). O documento é assinado por parlamentares de diferentes campos políticos, entidades representativas da sociedade e personalidades. O texto apresenta todos os crimes cometidos por Bolsonaro desde o início do mandato e não somente durante a pandemia.