Pular para o conteúdo principal

Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência lança abaixo-assinado em defesa do CNPq

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Nesta terça (13) a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) lançou, com mais 65 entidades, um abaixo-assinado pedindo socorro para o Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico (CNPq), que vem sofrendo cortes em financiamentos pelo governo Bolsonaro.

A petição online chama atenção para a situação em que se encontra a agência, com risco de cortar bolsas de estudo de mais de 80 mil pesquisadores no Brasil e no exterior, já a partir de setembro.

Fuga de cérebros

“A comunidade científica tem alertado há meses, sem sucesso, o Governo Federal e o Congresso Nacional para o déficit de R$ 330 milhões no orçamento do CNPq em 2019. Se esta situação não for rapidamente alterada, haverá a suspensão do pagamento de todas as bolsas do CNPq a partir de setembro deste ano”, diz o texto.

A nota também alerta para a fuga de cérebros do Brasil. “Em função dos drásticos cortes orçamentários para a Ciência, Tecnologia e Inovação, já se observa uma expressiva evasão de estudantes, o sucateamento e o esvaziamento de laboratórios de pesquisa, uma procura menor pelos cursos de pós-graduação e a perda de talentos para o exterior. Este quadro se acelerará dramaticamente com a suspensão do pagamento das bolsas do CNPq”.

Ciência, tecnologia e informação ameaçadas

O Conselho, criado em 1946, concede bolsas para a formação de recursos humanos no campo da pesquisa científica e tecnológica no Brasil e no exterior. Além disso, fornece recursos para implementação de projetos, programas e redes de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), assim como ações de divulgação científica e tecnológica em publicações, promoção de eventos científicos e participação de estudantes e pesquisadores em congressos na área de ciência e tecnologia.

Em julho, dez ex-ministros da Ciência, Tecnologia e Inovação assinaram um manifesto contra as medidas do governo Bolsonaro na área. O texto é chamado de
“A ciência brasileira em estado de alerta” e diz que “vivemos hoje a maior das provações da nossa história”.

No mesmo mês, em evento na Bahia, o ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicações, Marcos Pontes, reafirmou que o dinheiro para as bolsas CNPq só dura até setembro e cobrou a aprovação de um crédito de R$ 310 milhões para o orçamento da sua pasta para garantir o pagamento das bolsas. Esse crédito extra ainda depende de autorização do Ministério da Economia. Com o fim do prazo se aproximando, a pasta diz que ainda “avalia o pedido”.