Pular para o conteúdo principal

Rita Serrano: Quantidade de brasileiros que vai receber o auxílio emergencial deve chegar perto de 100 milhões

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Rita Serrano discutiu com convidados as condições de trabalho durante a pandemia do coronavírus e o papel social da Caixa em live no Facebook

A representante dos empregados no Conselho de Administração da Caixa, Rita Serrano, revelou em live no seu Facebook, nesta sexta-feira (24), que já são mais de 45 milhões de pessoas cadastradas no site e aplicativo do auxílio emergencial.

“Aqui não estão os beneficiários do Bolsa Família. Quando eu falo que nós vamos chegar perto de 100 milhões, não é brincadeira. Infelizmente isso mostra o tamanho da desigualdade do País”, explicou Rita.

O bate-papo teve a presença de Fernando Turim (Aneac), Giuliano da Silva (Social Caixa), Leonardo Quadros (Apcef e Fetec SP) e Tatiana Tamie (Audi Caixa). Eles discutiram as condições de trabalho durante a pandemia do coronavírus e o papel social da Caixa.

Rita destacou que o valor de R$ 600 do auxílio emergencial é um valor pequeno para sustentar uma família. “Essas filas no atendimento mostram o grau de pobreza que nós temos hoje no País. A pobreza, que aumentou nos últimos anos por conta do modelo econômico adotado, acabou se agravando com a pandemia”, alertou.

Durante a discussão, Giuliano levantou a dificuldade das pessoas que mais precisam em conseguir acessar o auxílio emergencial. “Tem pessoas que não têm celular. Como elas vão acessar esse benefício? São elas que mais precisam”.

Para Serrano, o decreto tem muitas falhas e uma delas é não prever nenhuma alternativa de cadastramento para as pessoas que não possuem celular. “A avaliação é de que seja em torno de 5 milhões de pessoas nessa situação, incluindo moradores de rua”, explicou ao dizer que são elas que estão indo para as filas das agencias.

Filas nas agências

Sobre as enormes filas nas portas das agências da Caixa em todo o País, Rita contou que tem discutido com o Conselho de Administração de que o ideal seria descentralizar esse atendimento. “Não poderia ser só a Caixa a executar todas essas operações, embora ela tenha capacidade, mas dada a demanda e ao perigo de proliferação do vírus para os clientes, usuários e empregados”, disse.

De acordo com Leonardo, a maior parte das pessoas que estão nas portas das agências não precisavam estar lá. “Elas estão ali procurando informações sobre o auxílio emergencial ou para reportar problemas no aplicativo”, disse ao explicar que são assuntos que não se resolvem no atendimento da Caixa.

Tatiana completou dizendo que as reclamações nas redes sociais responsabilizam a Caixa por todos os problemas com o auxílio. “A Caixa está operacionalizando esse pagamento, mas o cadastro não é feito pela Caixa”, explicou.

Assista a live completa abaixo (ou clicando aqui):

As condições de trabalho e o papel da Caixa durante a pandemia

As condições de trabalho durante a pandemia e o papel social da Caixa voltam a ser discutidos na live de hoje, dando continuidade ao debate iniciado semana passada pela gestão Rita Serrano.Dessa vez recebemos os convidados Fernando Turim (Aneac), Giuliano da Silva (Social Caixa), Leonardo Quadros (Apcef e Fetec SP) e Tatiana Tamie (Audi Caixa).

Posted by CA Rita Serrano on Friday, April 24, 2020

Leia também:
– Auxílio emergencial negado? Veja como solicitar uma nova análise
– Saiba como acompanhar a solicitação do seu auxílio emergencial
– Como sacar os R$ 600 em dinheiro vivo

Adicione o Whatsapp do Reconta Aí para receber nossas informações.