Pular para o conteúdo principal

Reverendo foi recebido no Ministério da Saúde, mas não explica relações anteriores com a pasta

Imagem
Arquivo de Imagem
CPI da Covid 4

O reverendo Amilton Gomes de Paula, envolvido no caso da negociação entre Ministério da Saúde e a Davati, não conseguiu explicar até o momento como apresentou representantes da Davati à pasta.

O religioso presta depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid do Senado nesta terça-feira (3). Na primeira parte do interrogatório, conduzido pelo relator Renan Calheiros (MDB-AL), o depoente foi questionado diversas vezes que relações anteriores permitiram a Gomes de Paula fazer essa intermediação.

"Eu não conhecia pessoas que pudessem abrir agenda no Ministério. Fui como embaixador. Embaixador da paz", afirmou.

Senadores questionam o fato de que o reverendo foi atendido de forma rápida pelo Ministério, tendo sido recebido para uma reunião presencial no mesmo dia em que ela foi pedida através de um e-mail.

"O que nos estranha é que farmacêuticas não tiveram esse tratamento. O senhor teve muita sorte", ironizou o vice-presidente da Comissão, Randolfe Rodrigues (Rede-AP). "Nem a Pfzier, nem o Butantan, nem a OMS tiveram essa resposta. Você atribui a quem esse prestígio?", complementou Calheiros.

VEJA TAMBÉM:
- Parte da CPI quer Mayra Pinheiro fora do Ministério da Saúde
- CPI volta com foco em 'rolos' nas negociações de vacinas

O religioso atuou nas "negociações" entre o Brasil e a empresa intermediária Davati, que teria ofertado 400 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca. O consórcio que produz o imunizante, entretanto, afirma que sempre negociou diretamente com governos, o que faz com que a CPI entenda que se tratava de uma oferta fantasma e suspeita que, ainda assim, exista a possibilidade de que propina tenha sido cobrada.

E-mails revelados pela imprensa, entretanto, indicam que Laurício Cruz, então diretor de Imunização do Ministério da Saúde, deu aval para que o religioso mantivesse contato com a Davati representando informalmente a pasta. A empresa também encaminhou mensagem à pasta validando a atuação do reverendo.

Profissionalmente, o reverendo se apresenta como psicólogo, apesar de não ter registro no Conselho da categoria.