Pular para o conteúdo principal

'Retrato' do Banco do Brasil nos últimos anos mostra importância do Banco Público

Imagem
Arquivo de Imagem
bb - foto Agência Brasil

No 32º Congresso do Banco do Brasil realizado no último domingo (8), a economista Nádia Vieira de Souza, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), fez uma apresentação dos principais dados do Banco Público. Segundo ela, apesar de 2020 ter sido atípico, o balanço de 2021 apresenta uma recuperação das perdas.

Os resultados mais importantes do Banco do Brasil referentes ao primeiro semestre de 2021 foram o crescimento de 8,8% dos ativos totais; de 6,1% carteira de crédito e o crescimento do lucro líquido ajustado em 48%, que representa quase R$ 10 bilhões.

A economista do Dieese também chama atenção para o "filé" do Banco do Brasil: as carteiras de crédito. Segundo ela, houve um crescimento de 31% no segmento de pessoas jurídicas ensejado pelo Pronampe.

VEJA TAMBÉM:
- 32º Congresso do Banco do Brasil traz um panorama do Banco Público
- 37º Conecef: "A defesa da democracia passa por um banco público que chegue em todos os locais do País", afirma diretor do Dieese

Ainda que tenha havido uma queda de receitas no ano passado, o pagamento de todo o pessoal do BB foi feito a partir de receitas secundárias e pagamento de tarifas. 

A importância do Agronegócio para o Banco do Brasil

Reafirmando a importância do BB para o agronegócio, Souza faz um raio-x de como o banco se relacionou com o setor. Segundo ela, atualmente, a maior parte dos financiamentos foi para o agro de médio e grande porte; 3% para cooperativas; 26% para os pequenos agricultores. No mesmo sentido, ela elucida que a maior parte do crédito foi dedicada para o custeio da produção, seguido pelo Pronaf e, por último, investimentos agrícolas. 

Prorrogações de crédito

No ano passado, o Banco do Brasil aumentou o volume de prorrogações de operações de crédito e prorrogação de pagamentos. Porém, conforme pesquisas elaboradas por Souza, o benefício foi concedido a poucos, o nível de risco era baixos e não houve atrasos. "O tempo médio de relacionamento dos clientes que tiveram essa prorrogação era de mais de dezessete anos", afirma Souza.

Reestruturação e redução de despesas

O plano de reestruturação anunciado no ano passado prevê uma redução de R$ 3 bilhões em despesas para 2021e redução de R$ 10 bi até 2025. Ele está aliado ao investimento em tecnologia de cerca R$ 22 bilhões nos últimos cinco anos.

Com isso - processo de aceleração digital - a redução do número de trabalhadores foi de 85 mil trabalhadores desde 2013 a junho de 2021. Outra consequência foi a diminuição do número de pontos de atendimento: 38% desde 2012. Em sentido oposto, a média de clientes por trabalhador aumentou 72% no mesmo período, saindo de 513 pra 881 em junho de 2021 - uma forte sobrecarga para os trabalhadores que permaneceram no Banco do Brasil.