Pular para o conteúdo principal

Recorde negativo: Julho teve a maior perda salarial dos últimos 12 meses

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

A diferença entre a inflação e os reajustes salariais atingiu em julho de 2021 o maior valor quando se leva em conta um período de doze meses. Em outras palavras, naquele mês houve a maior perda salarial. Os dados são do   Boletim Salariômetro, divulgado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

A inflação de doze meses acumulada em julho foi de 9,2%. Os reajustes salariais ocorridos no mês passado, entretanto, significaram um aumento médio de 7,6%. Isto significa uma defasagem de cerca de 1,6% - ou seja, o quanto o salário encolheu na prática pela redução do poder de compra.

VEJA TAMBÉM:
- Ipea projeta inflação maior e revisa IPCA para 7,1% em 2021
- Contra Marco Temporal, indígenas realizam maior mobilização desde 1988 em Brasília

O parâmetro inflacionário utilizado foi o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a variação de preços vivenciada por famílias cuja faixa de renda é de 2 a 5 salários mínimos. Gastos domésticos, como alimentação e a conta de luz pesam mais neste índice do que em outros.

Projeções de algumas instituições financeiras privadas apontam que o INPC acumulado para 12 meses deve continuar subindo pelo menos até setembro, quando deve bater a marca de 10%. A expectativa é que haja uma baixa posteriormente, mas sem uma redução abaixo dos 7% até os primeiros meses de 2022.