Pular para o conteúdo principal

Reajustes salariais do mês de outubro apresentaram o pior resultado para os trabalhadores em 2021

Imagem
Arquivo de Imagem
reajustes salariais

As negociações salariais do mês de outubro apresentaram o pior resultado para os trabalhadores entre as datas-base de 2021. Estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) mostra que 65,1% das correções salariais acordadas em outubro ficaram abaixo da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). O resultado também é pior do que o observado no mesmo mês em 2020.

As correções em percentual igual à inflação totalizaram 21,1% dos casos. Em outubro de 2020, os resultados foram 30,4%, 36,2% e 13,7%, respectivamente. Já os resultados com valores acima do INPC ficaram em aproximadamente 14% das negociações em outubro de 2021.

O estudo considera ainda as negociações ocorridas desde o início do ano até outubro. Neste cenário, o percentual de reajustes abaixo da inflação está em 49,8%. Resultados iguais ao índice inflacionário são observados em 33,4% do total analisado; e acima, em 16,8% dos casos.

No acumulado do ano, o setor de serviços continua apresentando elevado índice de reajustes abaixo da inflação (61,4% do total no setor); a indústria, o maior percentual de resultados acima do INPC (23,5%); e o comércio, o maior percentual de correções em valores iguais ao índice inflacionário (47,9%).

A região Sul do País segue apresentando o melhor desempenho, com cerca de 31% dos reajustes acima do INPC e apenas 27% dos resultados abaixo do índice inflacionário. No entanto, a região Centro-Oeste tem o desempenho menos favorável aos trabalhadores.

LEIA TAMBÉM:
- Diesel alcança o maior preço mensal da década, aponta Observatório Social da Petrobras
- Tereza Campello: Mal feito e sem estudo, Auxílio Brasil deixa de fora 29 milhões de famílias
- FGV: Percepção do clima econômico tem queda entre 3º e 4º trimestres

Parcelamento do reajuste

O parcelamento dos reajustes em duas ou mais vezes cresceu significativamente em 2021. O Dieese analisou 12,3 mil reajustes e 10,5% deles foram pagos de forma parcelada. Em 2018, 2019 e 2020, o parcelamento sempre ficou abaixo dos 3% do total de cada ano.

Segundo o Dieese, o fenômeno pode estar associado ao crescimento da inflação, que vem repercutindo negativamente sobre a negociação coletiva.

Inflação

Conforme o Dieese, os preços tiveram aumento médio de 1,16% em outubro e acumulam alta de 11,08% em 12 meses. O percentual equivale ao reajuste necessário para a recomposição salarial das negociações com data-base em novembro.