Pular para o conteúdo principal

Privatização dos Correios é um péssimo negócio para os brasileiros, aponta Dieese

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

A agenda de privatização do Governo Federal segue e no alvo estão os Correios. O PL 591/2021, proposto pelo Poder Executivo, pode ser votado essa semana pelo plenário da Câmara dos Deputados, levando a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos a ser vendida para a inciativa privada.

Em nota técnica, Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) alerta que a privatização dos Correios é um péssimo negócio para o povo brasileiro.

Ainda que a proposta tenha sido elaborada para aumentar a qualidade dos serviços postais, garantir a prestação do serviço universal e ampliar investimentos privados no setor - segundo os ministros Paulo Guedes (Economia) e Fábio Faria (Comunicação) -, essa proposta já foi considerada até inconstitucional pelo procurador Geral da República Augusto Aras. Contudo, mesmo assim o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP/AL), vai colocar em pauta a votação do projeto.

VEJA TAMBÉM:
- Privatização dos Correios: o que o Brasil perde?
- Privatizada, empresa dos correios de Portugal pede indenização ao Estado

O que está por trás da privatização dos Correios?

De acordo com o Dieese, ao contrário do que afirmam os ministros do governo Bolsonaro, a venda dos Correios está mais relacionada a oportunidades de negócio privado do que a qualidade dos serviços ou a sustentabilidade financeira da empresa pública.

O Dieese ainda aponta que há uma tendência ao aumento acelerado do mercado de entregas, que já possui concorrência no Brasil, em todo o mundo. Logo, a enorme estrutura logística construída pelos Correios, ao longo de 358 anos, é muito atrativa à iniciativa privada. No mesmo sentido, o Dieese aponta que a receita dos Correios vem aumentando continuamente.

Por que a privatização dos Correios é ruim para o País?

"A comunicação postal, como mencionado, é atividade de extrema importância à promoção do desenvolvimento socioeconômico", explica a nota técnica do Dieese. O texto ainda relembra o papel fundamental da empresa pública na prestação de serviços do Estado à população, como a distribuição de vacinas e a promoção da igualdade nacional.

A privatização da empresa coloca em cheque o acesso dos brasileiros aos serviços postais, promovendo um "apartheid econômico", nas palavras do Dieese. A mudança de dono dos Correios - do povo brasileiro a acionistas empresas privadas - muda também o objetivo da empresa: de promoção da cidadania para uma geradora de lucros.

A exclusão dos que não podem pagar pelo serviço e das localidades que não geram lucro, aliadas à demissão de trabalhadores e precarização de direitos trabalhistas, coroa a ideia de que não poderia ser pior nesse momento.


.