Reconta Aí Atualiza Aí Privatização da energia se torna alvo de críticas nos EUA

Privatização da energia se torna alvo de críticas nos EUA

A crise energética no Texas, que ocorre desde 10 de fevereiro e considerada por muitos como a maior da História dos Estados Unidos, colocou em xeque a privatização dos serviços de fornecimento de luz. Com mais de 4 milhões de domicílios, nos melhores casos, recebendo energia de forma intermitente, o mercado completamente desregulado no estado tem sido apontado como um dos fatores para a situação.

Siga a página do Reconta Aí no Instagram
Siga a página do Reconta Aí no Facebook
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin

O Wall Street Journal, publicação tradicionalmente com linha editorial liberal, apontou o óbvio: a promessa feita há 20 anos, quando o serviço de distribuição foi totalmente privatizado no Texas, de melhores serviços com preços mais baixos simplesmente não se realizou.

O fornecimento de energia não resistiu a uma tempestade de neve. Além disso, segundo os cálculos do jornal, a privatização fez com que os pagamentos durante essas décadas fossem 28 bilhões de dólares a mais do que se o serviço fosse mantido no modelo anterior.

Crítica à privatização da energia no Brasil

Por aqui, há também reações ao envio de uma Medida Provisória ao Congresso que pretende impulsionar a privatização da Eletrobras.

Paulo de Tarso, presidente da Confederação Nacional dos Urbanitários, chamou a tentativa de venda da estatal brasileira de “crime de lesa-pátria”, que resultará no “aumento abusivo das contas de luz”.

“Haverá um aumento significativo, imediato, de mais de 16% nas contas de energia, segundo os dados da própria Agência Nacional da Energia Elétrica”, explica.

Lembrando que a empresa não apresenta um comportamento deficitário estrutural, Tarso rejeita a ideia de que é necessário vender o patrimônio público para recompor o caixa do Estado brasileiro: “O argumento de eventuais benefícios é falso. O governo espera arrecadar R$ 16 bilhões com a venda, a dívida supera 5 trilhões. É uma gota no oceano. Vale a pena entregar uma empresa fundamental para o desenvolvimento por tão pouco?”, questiona.

Leia também:
Apagão no Amapá: Não basta barrar a privatização, é preciso revertê-la
Justiça do Trabalho suspende privatização da Companhia Energética de Brasília (CEB)

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial