Pular para o conteúdo principal

Presidente da CUT relembra importância dos trabalhadores na luta pela democracia em ato no Senado

Imagem
Arquivo de Imagem
Democracia

Em ato da Coalizão em Defesa do Sistema Eleitoral, realizado nesta terça-feira (2) no Senado Federal, o presidente nacional da CUT, Sergio Nobre, afirmou: “Tenham certeza, o plano golpista de Bolsonaro nunca vingará em nosso país, porque a classe trabalhadora não vai permitir”.

Nobre falou em nome das Centrais Sindicais que compõem o grupo, reiterando que a democracia para os trabalhadores "é muito mais do que direito" de votar em quem quiser. "É na democracia que a classe trabalhadora pode se organizar, reivindicar, conquistar e ampliar direitos".

Com isso, o presidente se referiu à ditadura civil-militar que ocorreu no Brasil entre 1964 e 1985: "Na ditadura, é o contrário, é opressão, e a classe trabalhadora é a primeira a sofrer, com fechamento dos sindicatos. A gente já viu isso acontecer no nosso país”.

Briga pela manutenção da democracia no Brasil tem repercussão internacional

A voz dos trabalhadores e dos movimentos sociais que compõem a Coalizão foi ouvida por diplomatas de diversos países, como Alemanha, Áustria, Bélgica, Sérvia, União Europeia, Eslováquia, Suíça, Austrália, Irlanda, Guiné Equatorial, Eslovênia e Portugal. Recentemente, estes representantes também foram convidados por Bolsonaro para ouvirem mentiras sobre o processo eleitoral brasileiro.

Leia mais
- Eleições 2022: Fazer uma denúncia para o TSE sobre desinformação eleitoral é simples; aprenda
- Golpe no WhatsApp: Confira 15 dicas para se prevenir
- "Não há nada mais importante do que defender a democracia e as eleições", afirma presidente da CUT

Sobre esse ocorrido, Nobre lamentou: “Fico muito envergonhado por esse episódio tão grotesco que Bolsonaro promoveu para atacar o sistema eleitoral. Ele fez isso porque sabe que vai perder as eleições em 2 de outubro e que o Brasil vai mudar de rumo”.

Nobre reafirmou ainda que os movimentos sindicais e populares são pilares da democracia no Brasil e que seguirão em sua defesa. Uma fala que retoma a ação destes movimentos na campanha Diretas Já, que ocorreu no início dos anos 1980 pelo fim da ditadura no Brasil.

A Coalizão em Defesa do Sistema Eleitoral é um colegiado que reúne mais de 200 entidades da sociedade civil para defender o processo eleitoral e combater a violência política.