Pular para o conteúdo principal

Preço da carne eleva inflação para famílias mais pobres

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda apontou forte aceleração da inflação do mês de dezembro de 2019 em todas as classes pesquisadas

A inflação de 2019 fechou o ano em 4,31%, conforme o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mas para as famílias mais pobres,  o indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda apontou que a inflação ficou em 4,43% em 2019, enquanto para os mais ricos, em 4,16%.

Os dados foram divulgados nesta terça-feira (14) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O aumento nos preços dos alimentos – principalmente da carne – foi o principal vilão no orçamento dos mais pobres.

InflaçãoFonte: IPEA

Em dezembro, os preços dos alimentos elevaram em 1,19% a inflação sobre as famílias com renda domiciliar de até R$ 1.643,78 mensais. No mesmo período, o indicador subiu 0,99% para famílias com renda domiciliar acima de R$ 16.442,40 mensais, sendo mais impactado pelo crescimento dos transportes.

Além das carnes (18,1%), tubérculos (6,4%), cereais (5,73%) e aves e ovos (4,48%) foram os grandes vilões da cesta de consumo das famílias mais pobres. Na outra ponta, os reajustes das passagens aéreas (15,6%) e dos combustíveis (3,57%) deram a maior contribuição no orçamento da faixa de renda mais alta.

A inflação de dezembro elevou consideravelmente a variação acumulada em 12 meses para todos os níveis de renda. No balanço do ano, a inflação das famílias mais pobres foi influenciada pelos aumentos dos alimentos (7,8%), energia elétrica (5%) e ônibus urbano (6,6%). Já a do segmento mais rico foi impactada pelos reajustes dos combustíveis (5,2%), dos planos de saúde (8,2%) e das mensalidades escolares (5%).

Inflação nos últimos anos

De acordo com o Ipea, a alta inflacionária de 2019 é a maior observada nos dois anos anteriores. Entre 2017 e 2019, na comparação dentro de cada faixa de renda, a alta acumulada nos preços foi bem superior entre os de renda muito baixa. O índice saltou 2,2 pontos percentuais, passando de 2,2% para 4,4% em dois anos. Para o estrato mais rico, o avanço foi de apenas 0,5 ponto percentual.

O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda é calculado com base nas variações de preços de bens e serviços disponíveis no Sistema Nacional de Índice de Preços ao Consumidor (SNIPC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).