Pular para o conteúdo principal

"Povo brasileiro é maior", diz Lula emocionado ao ser diplomado

Imagem
Arquivo de Imagem
lula diplomado

Tal como na primeira vez em que foi diplomado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) como presidente eleito, em 2022, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi aos prantos na tarde desta segunda-feira (12).

"Eu sei quanto custou ao povo brasileiro essa espera. Esse diploma não é de Lula presidente. É um diploma da sociedade brasileira que reconquistou o direito de viver sob a democracia. Poucas vezes na nossa história a vontade popular foi colocada tão à prova", disse emocionado.

Lula lembrou de diversas atitudes da campanha concorrente que visaram desequilibrar o processo eleitoral, inclusive o emprego da Polícia Rodoviária Federal para constranger eleitores: "O povo brasileiro é maior", arrematou.

O petista fez referência à ideia de "fazer do Brasil um país mais desenvolvido e mais justo" e mencionou o conjunto de partidos e movimentos que se aglutinaram em torno de sua candidatura.

Em seu discurso, Lula ainda elogiou a atuação da Justiça Eleitoral e defendeu que haja maior articulação internacional no combate à desinformação na qual se baseiam movimentos antidemocráticos. "Tenho consciência que essa frente se firmou em torno do firme compromisso com a democracia. Os inimigos da democracia se mobilizam e se movimentam", sustentou.

Leia também:
- Alexandre de Moraes é ovacionado em diplomação do presidente Lula
- Não haverá anistia, afirma Flávio Dino sobre crimes cometidos durante governo Bolsonaro

Cerimônia

Lula foi diplomado como candidato vitorioso na corrida eleitoral de 2022 para a Presidência da República nesta segunda-feira (12).

O documento foi assinado e entregue pelo ministro Alexandre de Moraes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na ocasião Geraldo Alckmin (PSB) também foi diplomado como vice-presidente eleito.

Formalmente, a diplomação dos dois encerra o processo eleitoral presidencial de 2022. Os diplomas também habilitam do ponto de vista burocrático Lula e Alckmin a tomarem posse no dia 1º de janeiro de 2023.