Pular para o conteúdo principal

Por vacinação de bancários, parlamentares apresentam emendas à MP do novo auxílio emergencial

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Com informações da Fenae

Deputados solicitam priorização destes trabalhadores em ações de imunização pelo SUS, considerando que retorno de pagamento do auxílio emergencial deve aumentar fluxo e risco de contágio nas agências, além de agravamento da pandemia

Em apoio à vacinação dos bancários contra a Covid-19, parlamentares apresentaram emendas à Medida Provisória 1.039/2021, que prevê o retorno do auxílio emergencial. Os deputados defendem que os empregados da Caixa Econômica Federal e de outros bancos sejam priorizados nas ações de imunização, considerando a probabilidade de aumento de fluxo e risco de contágio nas agências e o agravamento da pandemia no País.

Em 2020, os trabalhadores da Caixa Econômica estiveram na linha de frente do pagamento do auxílio e de outros benefícios sociais para cerca de 160 milhões de brasileiros.

“Incluir o pessoal da Caixa como público prioritário na vacinação contra a Covid contribuirá para que não se eleve ainda mais a disseminação do vírus, dado o atendimento bancário ocorrer em ambiente fechado, com manipulação de cédulas e documentos que passam por várias pessoas”, observa o presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Sergio Takemoto.

Ele destaca que a medida também será positiva para a sociedade. “Garantir a saúde dos bancários é proteger a saúde da população; especialmente, de quem precisa ir até uma agência”, reforça Takemoto.

Vacina para os trabalhadores do banco

Na Emenda 24 à MP 1.039, o deputado Pedro Uczai (PT-SC) solicita a inclusão de toda a categoria bancária na lista de prioridades do Programa Nacional de Imunização. Ele ressalta o trabalho dos empregados da Caixa no pagamento de benefícios para conter a crise causada pela pandemia.

“Somam-se a isso as demandas cotidianas do Banco Público, que é também o responsável pela administração do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e de programas sociais que atingem uma grande massa populacional, atividades essenciais para a sobrevivência da população”, afirma Uczai.

“No momento em que temos tido notícias de colapso no sistema de saúde e medidas restritivas de circulação de pessoas no país, isso proporcionará para a população o recebimento das novas parcelas do auxílio emergencial de forma segura e organizada”, defende o deputado Luiz Carlos Motta (PL-SP) nas emendas 22 e 25, reforçadas pela Emenda 67 apresentada pelo deputado Orlando Silva (PCdoB-SP).

Tadeu Alencar (PSB-PE), autor da Emenda 36, avalia que “a Caixa tem sido peça-chave para a promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável do país”. “E é isso que a empresa e seu corpo incansável de funcionários vêm fazendo diuturnamente”, diz o deputado, ao observar que a atividade dos bancários é considerada de risco em virtude da exposição ao coronavírus.

Os deputados Christiano Áureo (PP-RJ) e Pompeo de Mattos (PDT-RS) sugerirem nas emendas 93 e 150, respectivamente, a incorporação dos bancários entre os grupos a serem vacinados com prioridade: “Considerando a segurança e a saúde não só dos bancários mas também do público ao qual atendem diariamente”.

Apelo ao Ministério da Saúde

A Fenae enviou no último dia 11, ofício ao Ministério da Saúde solicitando a priorização da vacina para os trabalhadores do banco e a garantia de imunização da sociedade por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

Trata-se do segundo ofício encaminhado pela Federação, neste ano, ao Ministério da Saúde. No dia 13 de janeiro, a Fenae solicitou o enquadramento dos trabalhadores do banco como público prioritário para a vacinação.

Leia também:
Congresso aprova Novo Auxílio Emergencial: valores devem ser entre R$ 150 e R$ 375