Pular para o conteúdo principal

Petrobras: Comitê de Elegibilidade aprova indicação de Caio Paes para comando da estatal

Imagem
Arquivo de Imagem
Petrobras

Indicação de Jair Bolsonaro para assumir a presidência da Petrobras após a saída de José Mauro Coelho, Caio Paes de Andrade teve o nome aprovado para exercer o comando da estatal. A decisão foi tomada em reunião realizada nesta sexta-feira (24) pelo Comitê de Elegibilidade (Celeg).

"Foi reconhecido pelo Comitê, funcionando como o Comitê de Elegibilidade (CELEG) previsto no artigo 21 do Decreto nº 8.945/16, por maioria, o preenchimento dos requisitos previstos na Lei nº 13.303/16, no Decreto nº 8.945/16 e na Política de Indicação de Membros da Alta Administração da Petrobras, bem como a não existência de vedações, para que a indicação do Sr. Caio Mário Paes de Andrade aos cargos de Conselheiro de Administração e Presidente da companhia seja deliberada pelo Conselho de Administração", informou a Petrobras em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Caio Paes foi indicado por Bolsonaro para assumir a vaga de após José Mauro Coelho pedir demissão no último dia 20 do cargo de presidente da empresa e renunciar ao cargo de membro do Conselho de Administração da Petrobras. Mauro Coelho deixou a estatal diante do cenário em que Jair Bolsonaro tenta encontrar um bode expiatório para a inflação, mesmo sabendo que a política de preços da Petrobras é uma orientação de governo, exigindo a paridade com os preços praticados por importadores. Em seu lugar assumiu Fernando Borges, diretor-executivo de exploração e produção, que foi nomeado como presidente interino da Petrobras.

O novo indicado para assumir a presidência da Petrobras também é próximo a Paulo Guedes na pasta de Desburocratização do ministério da Economia.  Além disso, não tem a menor experiência em gestão conforme exigida.

Em recente entrevista ao Reconta Aí, a representante dos empregados no Conselho da Petrobras Rosangela Buzanelli criticou a indicação de Caio Paes à presidência da Petrobras. Segundo ela, a indicação do governo não atendia requisitos técnicos necessários para o cargo, que são exigidos pela Lei das Estatais (13.303/2016) e o Estatuto Social da Petrobras. "O fato é que Andrade não tem notório conhecimento na área, é formado em comunicação social e sem experiência no setor de petróleo e energia", disse na ocasião.

Por não atender aos requisitos, petroleiros vão realizar ato na próxima segunda-feira (27), a partir das 10h, em frente Edifício Senado, contra a posse “desqualificada” ao cargo.

Com informações da Agência Petrobras e FUP