Pular para o conteúdo principal

PDT e PSB: Oposição tem traições e PEC dos Precatórios é aprovada

Imagem
Arquivo de Imagem
congresso

Apesar da orientação das lideranças partidárias da oposição ao Governo Federal na Câmara, parte dos deputados que integram o bloco deram votos decisivos para a aprovação em primeiro turno da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios. PSB e, em especial, PDT, foram decisivos para aprovar a questão.

Destaques ainda devem ser votados e são necessários ainda mais um turno de votação na Câmara e dois no Senado. A PEC foi aprovada na madrugada desta quinta-feira (4) em primeiro turno por 312 votos a 144. Eram necessários 308 votos favoráveis.

LEIA TAMBÉM:
- PEC dos Precatórios cria tensão entre Planalto e Congresso
- PEC cria condições para mercado paralelo de precatórios, diz advogado

A Proposta tem sido tratada como prioridade pelo Governo Federal e seus aliados no Congresso, por ser uma caminho para a viabilização do Auxílio Brasil, programa social que deve entrar no lugar do Bolsa Família - e é que é criticado por especialistas em políticas públicas. A intenção do Planalto é ter uma marca na área social para apresentar nas eleições de 2022.

Dos 312 votos, 31 vieram de duas siglas que formalmente compõem a oposição: PSB e PDT. Em outras palavras, sem estes votos a PEC não teria sido aprovada. Os votos favoráveis das duas siglas foram reconhecidos como crucias pelo próprio presidente da Câmara, Artur Lira (PP-AL), um dos principais articuladores políticos do projeto.

O PDT tem uma bancada de 24 parlamentares. Destes, 3 (12,5%) estavam ausentes. A maioria, com 15 votos (62,5%) foi favorável. Apenas um quarto da bancada, ou seis votos (25%), se posicionou de forma contrária.

A bancada do PSB foi proporcionalmente mais fiel à orientação da oposição. Com 32 parlamentares, um estava ausente (3%). Dos que votaram, 21 deputados (65,6% do total) foram contrários e 10 favoráveis (31,3%).

Patriota e Solidariedade foram os únicos partidos a terem 100% da bancada favorável. Republicanos, PP e PROS não repetiram o patamar pois tiveram deputados ausentes - todos que estavam presentes foram favoráveis.

Do outro lado, Rede, Novo e PC do B tiveram 100% de rechaço à PEC, já que todos deputados compareceram. Da mesma forma, as bancadas do PT e PSOL não tiveram 100% de suas bancadas contra a PEC pois havia deputados ausentes - os que estavam presentes votaram todos contra. Por conta dos números da votação, as ausências neste caso, não fizeram diferença.