Pular para o conteúdo principal

"Objetivo deles é desmontar Estado", diz Guido Mantega a bancários

Imagem
Arquivo de Imagem
Congresso BB

O ex-ministro da Fazenda Guido Mantega afirmou que o objetivo geral do governo Jair Bolsonaro (PL) é o desmonte do Estado e a destruição de qualquer perspectiva de desenvolvimento social. As declarações foram dadas na quinta-feira (9), durante um encontro de bancários.

Mantega participou do 33º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil e traçou um panorama da economia brasileira no período mais recente.

“Nós podemos afirmar que o Bolsonaro foi muito competente em destruir o Brasil, em demolir esse estado desenvolvimentista, de bem-estar social que nós tínhamos criado. Eles introduziram uma nova estratégia de política econômica, o neoliberalismo, contra o desenvolvimentismo e o objetivo deles era justamente desmontar o Estado", criticou.

Nesta linha geral, o avanço das privatizações - inclusive de instituições financeiras - é um dos elementos centrais.

Leia também:
- Funcionários do Banco do Brasil aprovam propostas de reivindicações
- "É um ano decisivo para os bancos públicos", afirma João Fukunaga

“Um banco público não é igual a um banco privado. O objetivo do banco privado é ter o lucro máximo, ele não está preocupado com a questão social. Já o banco público, tem que ter lucro e tem que ser eficiente, mas tem que ajudar a economia a crescer, a distribuir renda e tudo mais", ponderou.

João Vaccari Neto, ex-presidente Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região, participou do mesmo debate que Mantega, ressaltando que o governo Bolsonaro é fruto de uma série de movimentações políticas que se iniciaram anos antes. "Vieram as crises políticas de 2004, 2013, 2016 e, em seguida, a Lava Jato, iniciando a política de eliminação de empregos e a derrocada da indústria, tendo por trás a ação do governo norte-americano”, lembrou.

Após a realização dos congressos de bancários divididos em cada instituição para o qual trabalham, representantes da categoria se reunirão durante o sábado e domingo na Conferência Nacional dos Bancários.

Com informações da Contraf