Pular para o conteúdo principal

Artigo: O próximo presidente

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Renato Janine Ribeiro, ex-ministro da Educação e professor de Ética da FFLCH-USP, fala sobre os desafios do próximo presidente da República.

Não, não quero discutir quem será o próximo presidente. Fala-se disso o tempo todo. Quero falar do perfil que precisará ter.

Faça parte do nosso canal Telegram.
Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin

Ele vai colher um Brasil devastado. Fomos um dos países que pior lidou com a pandemia. Quando a economia global voltar a crescer – e talvez cresça com fúria, com gula por commodities, como as que o Brasil fornece – nosso País estará com deficiências graves.

Vai demorar a recuperar-se dos danos à saúde. Terá morrido ou estará com sequelas sérias ao desenvolvimento econômico. Os custos com a saúde serão bem mais altos do que se tivéssemos investido pesado na prevenção (máscaras, distanciamento etc etc).

Pior (talvez): em 2023, quando começar o próximo mandato, serão já quase dez anos de conflitos internos que romperam o tecido social, dissolveram o pacto de cavalheiros que manteve em temperatura aceitável as divergências capitaneadas por PT e PSDB e, ainda mais grave, desfizeram amizades e até laços de sangue.

Isso, sem falar nos desastres para a economia, uns causados pela má gestão da pandemia, outros pela inépcia na direção dos assuntos econômicos.

O ódio terá sido nossa herança.

Quer dizer que o próximo presidente precisaria ser alguém capaz de dirigir o País com firmeza e habilidade, de recompor diálogos, de agregar gente em vez de desagregar. Teremos tido quase dez anos de guerra civil verbal. Precisaremos de paz – mas paz com firmeza, não simplesmente uma passagem de pano.

Quando Dilma e Serra disputaram a presidência, em 2010, escrevi um artigo na Folha, dizendo que havíamos tido dois presidentes que eram líderes – FHC e Lula – e o cargo estava sendo disputado por dois gerentes.

E comentei: é raro termos líderes. (O líder não precisa conhecer os dossiês técnicos, o que ele precisa é entender o que os especialistas explicam para ele e transformar isso em política, persuadindo os atores sociais e, também, a sociedade, o povo, o eleitorado).

Agora, para recompor a economia, restabelecer os laços sociais, fazer o País avançar, será necessário um líder. Mas haverá? A grande maioria dos candidatos não tem esse perfil. E ficou tão grande a raiva, a divisão, aumentou tanto a fome e a mortalidade, que não vai ser tarefa para qualquer um.

Renato Janine Ribeiro foi ministro da Educação em 2015; é professor-titular da cadeira de Ética e Filosofia política da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo e escritor.

Atualmente, compartilha seus textos sobre bastidores da política nos seus canais de Whatsapp e Telegram.