Pular para o conteúdo principal

Número de famílias com dívidas é o maior em 12 anos

Imagem
Arquivo de Imagem
DÍVIDAS

O percentual de famílias com dívidas ou contas atrasadas é o maior desde março de 2010. Os dados são da Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada nesta quinta-feira (3) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

A CNC relata que quase um terço dos lares brasileiros se enquadram na situação.

“Alcançando 27% dos lares, o indicador de inadimplência apresentou, em fevereiro, aumento de 0,6 ponto percentual (pp) em relação a janeiro e de 2,5 pp na comparação com fevereiro de 2021. Já a parcela que declarou não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso e, portanto, permanecerá inadimplente, ela também acirrou na passagem mensal, com aumento de 0,4 pp, a proporção chegou a 10,5%, mesmo percentual de fevereiro do ano passado”, afirmou a entidade.

Leia também:
- Guerra na Ucrânia: Brasil tem 10 anos de autonomia em petróleo, mas será afetado pelo aumento de preços
- Mesmo com lucros de R$ 175 bilhões, bancos fecham mais de 12 mil vagas em 2 anos

O percentual de famílias que relataram ter dívidas a vencer - incluindo cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, crédito consignado, empréstimo pessoal, prestação de carro e de casa - foi de 76,6% em fevereiro 2022, mesmo patamar de dezembro de 2021. 

Em termos comparativos, em fevereiro de 2021 o percentual era de 66,7%, nove pontos abaixo do último apurado. A CNC afirma ainda que o cenário econômico, em que o Banco Central busca conter a inflação com a alta de juros, dificulta ainda mais a situação das famílias: "O custo do crédito mais elevado e o próprio endividamento entre as pessoas que vivem no mesmo domicílio dificultam a contratação de novas dívidas e o pagamento dos compromissos na data de seus vencimentos”, disse em nota José Roberto Tadros, presidente da Confederação.

Nos dois grupos pesquisados houve alta de endividamento. Entre os que ganham até dez salários mínimos, o percentual é de 77,8%, tendo subido 0,4 ponto percentual. No grupo dos que recebem acima de dez salários mínimos, a proporção de endividados atingiu o recorde da série histórica, com 72,2%.