Pular para o conteúdo principal

Novo pacto federativo muda o financiamento da educação

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Desvinculação de receitas pode extinguir programas do FNDE de combate às desigualdades no ensino. Políticas educacionais previstas na Constituição sofrem maior ataque desde a sua aprovação com a PEC

O que muda no financiamento da educação com o novo pacto federativo?

Artigo escrito por Cleo Manhas, assessora política do Inesc, aponta o que pode mudar no financiamento da educação com o novo pacto federativo. Segundo ela, a desvinculação de receitas pode extinguir programas do  Fundo Nacional de Desenvolvimento do Ensino (FNDE) de combate às desigualdades no ensino. 

“Está ocorrendo o desmonte das políticas públicas garantidoras de direitos, em um ataque neoliberal ao Estado, como se pode constatar desde a aprovação da Emenda Constitucional do teto dos gastos e, mais recentemente, com a Proposta de Emenda Constitucional nomeada de PEC do Pacto Federativo.  Além de cotidianas manifestações públicas de gestores governamentais contra os direitos humanos, a ciência e o pensamento crítico”, escreve.

O texto faz uma análise das consequências e relembra como o País chegou ao atual quadro de políticas públicas na área da educação.

Segundo ela, o “ataque mais recente” na educação veio da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 188/2019, chamada de PEC do pacto federativo, que propõe – entre outras coisas – a unificação dos orçamentos da saúde e da educação. 

“Hoje, os estados destinam para a saúde pelo menos 12% da receita corrente líquida (soma de receitas tributárias, contribuições patrimoniais, industriais, agropecuárias e de serviços, transferências correntes, entre outras — menos o que fica para estados e municípios por determinação constitucional), e 25% para educação. No caso dos municípios, os percentuais são 15% e 25%, respectivamente. A PEC agrega os percentuais (40%) de forma que um prefeito poderá, por exemplo, aplicar 20% em saúde e os outros 20% em educação. A proposta provocará uma disputa de recursos entre as áreas, enfraquecendo-as”, destaca.

Para a assessora política do Inesc, a PEC do Pacto Federativo, além de propor a junção dos orçamentos, promoverá uma disputa entre áreas essenciais para a população, abrindo espaço para a desvinculação dos recursos, ao flexibilizar a sua utilização.

Como exemplo, cita o Salário-Educação, hoje recolhido pela União e repassado para estados e municípios. Pela proposta, o Salário-educação poderá ser integralmente repassado, não ficando nada na União, ou melhor, para o FNDE. 

“O Fundo é essencial para amenizar as desigualdades regionais, por meio de programas que são, em parte, financiados com recursos do salário-educação”, argumenta. “E o que se precisa é acabar com o teto dos gastos, não com o FNDE e suas importantes políticas para amenização das desigualdades regionais”, escreve.

.