Pular para o conteúdo principal

Motoristas e cobradores de ônibus fazem greve na capital paulista e rodízio de veículos é suspenso

Imagem
Arquivo de Imagem
greve motoristas

A capital paulista amanheceu nesta quarta-feira (29) em meio à greve de motoristas e cobradores de ônibus. A paralisação afeta 675 linhas diurnas e 6.008 ônibus, que transportariam 1,5 milhão de passageiros no pico da manhã, segundo a SPTrans.

O rodízio municipal de veículos está suspenso hoje por conta da paralisação. Carros com placas finais 5 e 6 podem circular pelo centro expandido a qualquer horário.

Leia também:
- Assédio: "São estarrecedores os relatos de funcionárias da Caixa", lamenta a deputada Erika Kokay
- Varejo e custo da construção fazem IGP-M subir para 0,59% em junho

De acordo com o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de SP (Sindimotoristas), embora tenham garantido o reajuste salarial de 12,47% sobre os salários e ticket-refeição, o setor patronal resolveu ignorar todos os outros itens da pauta de reivindicações da categoria como a hora de almoço remunerada, PLR, adequação de nomenclaturas e plano de carreiras do setor de manutenção, entre outros.

“Já se passaram dois meses das nossas negociações e os patrões mostraram-se intransigentes, pedindo prazos, paciência e protelando decisões. A categoria está estafada dessa enrolação”, afirmou o presidente em exercício do sindicato, Valmir Santana da Paz.

A primeira paralisação aconteceu no último dia 14, após uma audiência de conciliação terminar sem acordo na tarde do dia anterior no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo. Após um acordo com a prefeitura os trabalhadores voltaram aos seus postos no final da tarde.

Com informações da SPTrans e Agência Brasil