Pular para o conteúdo principal

Mercado prevê alta da inflação pela 17ª semana seguida

Imagem
Arquivo de Imagem
Boletim Focus - Gráfico com seta para baixo

Os agentes do mercado financeiro consultados pelo Boletim Focus, publicação do Banco Central que sistematiza projeções econômicas, estimam que a inflação ao final de 2021 será de 6,79%. É a 17ª semana seguida que o documento aponta alta.

No Boletim passado, a estimativa é que o atual ano fecharia com inflação de 6,56%. Caso a projeção se confirme, a inflação de 2021 irá estourar o teto da meta inflacionária.

VEJA TAMBÉM:
- Inflação para mais pobres é 'perversidade', critica Dieese
- Inflação na indústria sobe 1,31% em junho com recorde no ano e em 12 meses

O centro da meta de inflação é de 3,75%. O teto e o piso são 5,25% e 2,25%, respectivamente. Os marcos da meta inflacionária são definidos pelo próprio Governo Federal, tendo como objetivo garantir alguma previsibilidade para os agentes econômicos no País.

Com esta previsão, o mercado financeiro também espera que a taxa básica de juros suba até 7% ao final de 2021. Atualmente, o índice está em 4,25%.

A expectativa para o crescimento econômico também subiu. O Boletim Focus projeta um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), conjunto das riquezas produzidas em bens e serviços, de 5,3%. A expectativa anterior era de 5,18%. Caso essa estimativa se confirme, a economia ficará em um patamar levemente maior que o verificado antes da pandemia - em 2020 houve uma queda de mais de 4% no PIB brasileiro.

Mais de 100 instituições do mercado financeiro são consultadas pelo Banco Central para a formulação do Boletim Focus.