Pular para o conteúdo principal

Lula: Um presidente tem que deixar o conforto de Brasília para conhecer os problemas do povo

Imagem
Arquivo de Imagem
lula2

Em viagem pelo Nordeste, o ex-presidente Lula participou neste sábado (18) de um ato do movimento Vamos Juntos Pelo Brasil, em Aracaju (SE). Em discurso para milhares de brasileiros presentes no evento, Lula afirmou que o Brasil e seu povo precisam ser cuidados.

“A gente vai cuidar desse povo e desse País. A palavra cuidar é melhor do que governar, porque governar parece que está por cima, para cuidar tem que estar junto. E para cuidar corretamente a gente vai ter que ouvir vocês”, afirmou o ex-presidente.

De acordo com Lula, se um governante fica só em Brasília ele terá dificuldade em conhecer as prioridades de cada local e da população mais humilde. “Um presidente tem que saber que o povo pobre e trabalhador tem muita dificuldade de chegar a Brasília. A partir de lá você não consegue enxergar o Brasil, você precisa sair e visitar os Estados", explicou.

LEIA TAMBÉM:
- Lula: Vai ser terminantemente proibido qualquer 'miliciano' garimpar em terras indígenas
- Funai: Servidores anunciam greve e exigem saída do presidente da Fundação

Lula lembrou de 2003, quando tomou posse como presidente do Brasil e, logo em seguida, colocou seus ministros dentro do avião presidencial e foi visitar os lugares mais pobres do País. "Para eles saberem para quem eles tinham que governar de verdade, porque se a gente não faz isso, a gente governa para quem vai para Brasília fazer pressão, que são os banqueiros, os empresários”, relatou.

Nessa época, o Brasil enfrentava vários problemas como inflação alta, desemprego, falta de reservas internacionais e dívida pública equivalente a 65% do PIB. “Eu falei ‘pois bem, vou resolver esse negócio’ e em 2005 a dívida pública já tinha caído para 35% do PIB e a inflação estava na meta".

Sobre o desemprego, Lula afirmou que não é difícil gerar emprego neste País. "Para gerar, você precisa acreditar que o Estado é o indutor do desenvolvimento. Sem isso, o empresário não vai acreditar e não vai investir”, completou.