Pular para o conteúdo principal

Lula: PT defende auxílio de R$ 600 desde 2020

Imagem
Arquivo de Imagem
Lula-comenta-PEC-do-Despero (1).png

Boa parte das sugestões da Proposta de Emenda Constitucional 16, ou PEC do Desespero, como passou a ser chamada, já havia sido apresentada pela oposição ao governo - composta pelo PT, Psol, PCdoB, Rede e PSB - e enfrentou resistência dos parlamentares governistas.

Contudo, frente à baixa intenção de votos que Jair Bolsonaro vem obtendo nas pesquisas de opinião, o governo resolveu abrir mão da austeridade fiscal defendida por Paulo Guedes e buscou criar um texto que possibilitasse gastar o que e quanto quissesse do orçamento público.

Leia também:
- "PEC do Desespero" revelou incompetência do governo, diz líder da oposição
- Salário sobe em ritmo mais lento que preços

A aprovação da PEC do Desespero foi uma mediação entre as propostas. Ainda que a oposição tenha visto a aprovação dos auxílios às vésperas do pleito como uma medida eleitoreira, negociou e aprovou a medida para não desamparar os que mais precisavam. Principalmente os mais de 33 milhões de brasileiros que passam fome atualmente.

Frente à tentativa do governo de capturar a votação para criar uma narrativa de que Bolsonaro é quem criou e defendeu os programas, o pré-candidato Luiz Inácio Lula da Silva se manifestou:

"Tô vendo o Bolsonaro dizer agora que vai dar R$ 400 de auxílio. Tem gente dizendo que é auxílio eleitoral, que não podemos aceitar. Não penso assim. O PT defende um auxílio de R$ 600 desde o ano passado. O povo precisa. Ele tem que dar. Se vai tirar proveito disso, problema dele".

Lula

O senador Jean Paul Patres (PT-RN), relembrou ponto a ponto a fala de Lula: "O auxílio gás foi proposto pelo PT. Dobrar os valores foi uma proposta do meu relatório ao PL 1472/2021, aprovado no Senado e que dormita nas gavetas da Câmara dos Deputados. O auxílio emergencial de R$ 600,00 foi proposto pelo PT e as oposições. Agora, a três meses das eleições, eles 'acordaram'. Por que será?", indagou o senador.

Segundo Lula, a tentativa do governo reflete um desespero eleitoral:

"Bolsonaro tem medo do voto do povo. Por isso tenta agora aumentar o auxílio emergencial, o que sempre foi uma reivindicação da oposição. O povo tem que receber o dinheiro, mas o que ele quer é um projeto eleitoral, porque acha que o povo vai cair em mentiras. Não vai."

Lula