Pular para o conteúdo principal

Lula nega desejo de ver MDB no comando do Congresso

Imagem
Arquivo de Imagem
lula congresso

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou em entrevista coletiva nesta sexta-feira (8) que queria integrantes do MDB no comando do Congresso em um possível novo mandato a partir de 2023.

Com uma certa dose de ironia, Lula afirmou que, mesmo não sendo formado "em sociologia ou filosofia", respeita a divisão de poderes: "Pobre do presidente da República que tentar interferir nas eleições para presidência da Câmara e do Senado", disse.

LEIA TAMBÉM:
- Lula: "Eu não esperava que a fome voltasse ao Brasil"
- IPCA: Inflação é a maior para setembro desde 1994 e bate 10,25% em 12 meses

A imprensa vinha circulando boatos de que Lula gostaria de ter Renan Calheiros (MDB-AL) no comando do Senado e Eunício Oliveira (MDB-CE) na Câmara.

Lula chegou a afirmar que sua própria candidatura não é certa. "Tenho conversado com todas as forças políticas. Ainda não decidi [ser candidato]. Em algum momento vou conversar com empresários, intelectuais. Vou conversar com a sociedade. Consertar esse País não é tarefa de um partido. Consertar esse país é tarefa de muita gente", disse.

O petista ainda abordou a questão da possível quantidade de candidaturas em 2022, defendendo a legitimidade de cada partido em lançar candidatos - "aliás, é para isso que partido deveria servir, não para [pegar] fundo eleitoral".

"Tem a candidatura do Bolsonaro. Tem minha candidatura, ainda não colocada. As pessoas se lancem, vai ter debate, entrevista. Vai escolher dois, que vão disputar [o segundo turno]. Pode ter quantas vias quiser", sustentou.