Pular para o conteúdo principal

Lula: "Eu não esperava que a fome voltasse ao Brasil"

Imagem
Arquivo de Imagem
lula 2

"Nós precisamos saber como vamos reconstruir esse País". Foi como o ex-presidente Lula começou a coletiva de imprensa, nesta sexta-feira (8), em Brasília, encerrando sua agenda no Distrito Federal. O atual cenário brasileiro é preocupante e é reflexo de um desgoverno que não faz nada além de desmontar o País.

"Depois que deixei a presidência, eu não esperava que o Brasil, dez anos depois, fosse estar pior do que eu peguei em 2003. É com muita tristeza que eu vejo que tudo o que conquistamos está sendo destruído", disse o ex-presidente ao destacar que 'voltamos para o Mapa da Fome' e 'deixamos de ser a 6ª economia do mundo como em 2008'.

LEIA TAMBÉM;
- IPCA: Inflação é a maior para setembro desde 1994 e bate 10,25% em 12 meses
- Produção em queda: 7 de 15 locais pesquisdos pelo IBGE registram perdas na indústria em agosto

A fome no Brasil voltou a ser um problema sério. São 19,1 milhões (9% da população) de pessoas passando fome e 116,8 milhões de brasileiros estão sem acesso pleno e permanente a alimentos, o que representa mais da metade da população total do Brasil.

Indignado, Lula fala que não esperava que a fome voltasse ao Brasil. "Foi motivo de muito orgulho quando a ONU tirou o brasil do Mapa da Fome e a recomendou o Bolsa Família como referência para todos os países de terceiro mundo", completa o ex-presidente.

Lula também falou sobre o novo discurso do Bolsonaro de um possível desabastecimento de alimentos em 2022 e que o culpado desse cenário é a China. Para o ex-presidente, ao invés de Bolsonaro falar para o brasileiro se preparar, ele deveria apresentar soluções. "Ele deveria estar apresentando junto aos produtores rurais um programa sobre aumento da produção rural nesse País" diz.