Pular para o conteúdo principal

Lula anuncia novos ministros; confira a lista completa

Imagem
Arquivo de Imagem
Lula

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciou nesta quinta-feira (29) os últimos nomes para compor os Ministérios do seu governo - que começa no dia 1º de janeiro de 2023. Os 16 nomes que faltavam para completar a equipe foram revelados no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), sede da transição. No total, o governo Lula contará com 37 Ministérios.

Além dos ministros e ministras revelados, Lula avisou que o segundo escalão será nomeado no início de 2023. Sem dar pistas sobre os nomes, Lula disse que tanto a Caixa quanto o Banco do Brasil terão presidentas em seus comandos.

Lula também anunciou Jacques Wagner como líder do governo no Senado e José Guimarães para líder do governo na Câmara. Randolfe Rodrigues será líder do governo no Congresso.

Leia também:
- Ambientalistas comemoram confirmação de Marina Silva no Meio Ambiente
- Polícia Federal começa a prender bolsonaristas que cometeram atos de terrorismo

Confira a lista dos 16 novos ministros anunciados por Lula

Gonçalves Dias - Gabinete de Segurança Institucional
Paulo Pimenta - Secom
Carlos Fávaro - Agricultura
Waldez Góes - Integração e Desenvolvimento Regional
André de Paula - Pesca
Carlos Lupi - Previdência
Jáder Filho - Cidades
Juscelino Filho - Comunicações
Alexandre Silveira - Minas e Energia
Paulo Teixeira - Desenvolvimento Agrário
Ana Moser - Esportes
Marina Silva - Meio Ambiente
Simone Tebet - Planejamento
Daniela do Waguinho - Turismo
Sônia Guajajara - Povos Indígenas
Renan Filho - Transportes

Com os 16 futuros ministros, Lula conclui a formação da equipe da Esplanada dos Ministérios para 2023. Eles se somam aos ministros já anunciados na última quinta-feira (22).

Alexandre Padilha (PT), deputado federal e ex-ministro da Saúde, comandará o Ministério das Relações Institucionais. Na Secretaria-Geral da Presidência, outro petista, Marcio Macedo.

Lula indicou Jorge Messias, procurador da Fazenda e ex-assessor de Dilma Rousseff, como Advogado-Geral da União. Na Controladoria-Geral da União, o jurista, professor e ex-presidente do Cade, Vinicius Carvalho.

A presidenta da Fundação Oswaldo Cruz, Nísia Trindade, chefiará o Ministério da Saúde. O ex-governador do Ceará, Camilo Santana (PT), irá para o Ministério da Educação. Na Gestão e Inovação, a economista e professora Esther Dweck, ex-secretária de Orçamento Federal no governo Dilma.

Márcio França (PSB) comandará a pasta destinada a Portos e Aeroportos. Luciana Santos (PC do B), vice-governadora de Pernambuco, será ministra da Ciência e Tecnologia. Wellington Dias (PT-PI), ex-governador e senador eleito, ocupará o Ministério do Desenvolvimento Social.

Cida Gonçalves, ex-secretária nacional de Enfrentamento à Violência contra Mulheres, assumirá uma nova pasta, o Ministério da Mulher. Margareth Menezes foi confirmada como ministra da Cultura, assim como Luiz Marinho no Trabalho.

Anielle Franco irá para o Ministério da Igualdade Racial. Na pasta dos Direitos Humanos, o nome indicado é o de Silvio Almeida, jurista e professor universitário. O vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB) também será ministro para Indústria e Comércio.

Outros nomes também oficializados: Rui Costa (Casa Civil), Fernando Haddad (Fazenda), Flávio Dino (Justiça), José Múcio Monteiro (Defesa) e Mauro Vieira (Relações Exteriores).