Pular para o conteúdo principal

Juros sobem em agosto; endividamento das famílias bate recorde

Imagem
Arquivo de Imagem
fundos de pensao

As famílias brasileiras pagaram taxas de juros mais altas em agosto, de acordo com as Estatísticas Monetárias e de Crédito divulgadas nesta segunda-feira (27), pelo Banco Central (BC). Em agosto, as taxas do cheque especial avançaram para 124,9% ao ano, equivalente a alta de 0,9 ponto percentual, ante 124% em julho.

O juro do cartão de crédito rotativo - tomado pelo consumidor quando paga menos que o valor integral da fatura do cartão - teve alta de 4,6 ponto percentual no mês, alcançando 336,1% ao ano.

VEJA TAMBÉM:
- Boletim Focus sobe novamente projeção de inflação para este ano
- Imposto de Renda 2021: 5º lote da restituição será pago na quinta-feira (30)

Também influenciaram o crescimento de juros para as famílias as taxas de financiamento para aquisição de veículos, alta de 0,8 ponto percentual (22,7% ao ano), e o crédito pessoal não consignado, que registrou aumento de 0,7 ponto percentual (80,2% ao ano). Os juros do crédito pessoal consignado também subiram 0,1 ponto percentual no mês para 18,9% ao ano.

Endividamento recorde

O endividamento das famílias, relação entre o saldo das dívidas e a renda acumulada em 12 meses, chegou ao recorde de 59,9% em junho, refletindo o aumento das concessões de empréstimos.

Já o comprometimento da renda, relação entre o valor médio para pagamento das dívidas e a renda média apurada no período, ficou em 30,9% naquele mês.