Reconta Aí Atualiza Aí Jantar de Bolsonaro com empresários remonta à Conferência de Wannsee?

Jantar de Bolsonaro com empresários remonta à Conferência de Wannsee?

Ocorrido na última quarta-feira (7), o jantar de Bolsonaro com empresários gerou comparações com a Conferência de Wannsee, em que se tramou a ‘Solução Final’.

Como tentativa de responder à carta dos empresários, divulgada no dia 21 de março com críticas à gestão da pandemia, o governo Bolsonaro articulou um jantar com nomes do empresariado nacional.

No evento – ocorrido em uma luxuosa casa nos Jardins, bairro nobre da cidade de São Paulo – Bolsonaro e os ministros Marcelo Queiroga (Saúde), Paulo Guedes (Economia), Fábio Faria (Comunicações) e Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) se reuniram com cerca de 20 empresários.

Nomes como Luiz Carlos Trabuco, presidente do Bradesco e André Esteves, do BTG Pactual, ovacionaram o presidente mesmo no momento em que o Brasil foi considerado o pior País do mundo na gestão da epidemia de Covid-19, segundo estudo do Lowy Institute.

Mas o que isso tem a ver com a Conferência de Wannsee?

De acordo com Thais de Santis Rocha, mestre em História Social pela USP, com ênfase em História da Alemanha nazista, há vários fatos que aproximam a política nacional brasileira atual com eventos relacionados à Alemanha da década de 1940. Ela cita, por exemplo, o jantar com os empresários e a Conferência de Wannsee.

A Conferência ocorreu em dia 20 de janeiro de 1942, em uma residência próxima a Berlim. Nela, segundo conta Thaís de Santis Rocha, “foi informada para os presentes – membros superiores do governo, líderes da SS e empresários – a ‘Solução Final’. Ou seja, o processo sistemático do extermínio de judeus sob a patente do Estado”.

Leia também:
Artigo – Análise da estética nazista do discurso de Alvim

No jantar de Bolsonaro com empresários, foi informado pelos representantes do governo que mesmo com a mudança do ministro da Saúde, não seria realizado um lockdown nacional. A medida é um dos dispositivos, além da vacina, capaz de conter a pandemia.

Genocídio

Contudo, o que mais aproxima o Brasil de hoje da Alemanha nazista é a grande quantidade de mortes que poderiam ter sido evitadas. Ainda que durante o nazismo o objetivo fosse exatamente o extermínio, a omissão do Governo Federal em relação à pandemia de Covid-19 também pode ser considerada criminosa, como afirma o Instituto Nacional de Pesquisa e Promoção dos Direitos Humanos (INPPDH).

“A busca pelo apoio de empresários foi importante para legitimar as propostas adotadas pelo Governo Federal em relação à gestão da pandemia para manter os ‘CNPJs’ vivos”, afirma a historiadora. Isso mostra que o governo faz oposição, falaciosa, entre a economia e as vidas humanas. No mesmo sentido, aponta que a prioridade do governo são as grandes empresas, em detrimento das milhões de vidas brasileiras.

“O contraste entre a celebração desse grupo, com garrafas de bebidas caras e muito luxo, e o aumento da desigualdade social, como demonstrado pela fome e desemprego, escancaram o que realmente importa: as negociações a qualquer custo para se manter no poder”.

Thais de Santis Rocha, mestre em História Social pela USP, com ênfase em História da Alemanha nazista
Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial