Pular para o conteúdo principal

IBGE: inflação dispara em novembro e sinaliza futuro duvidoso para a economia

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Este foi o maior resultado para um mês de novembro desde 2015, quando o IPCA ficou em 1,01%.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) avançou para 0,51% em novembro, após ter ficado 0,10% um mês antes.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice é termômetro oficial da inflação do País. O IPCA tem por objetivo medir a inflação de um conjunto de produtos e serviços comercializados no varejo, referentes ao consumo pessoal das famílias. 

A elevação da inflação foi puxada pelo grupo Alimentação e Bebidas (0,72%). Nessa categoria está embutido o aumento do preço da carne (8,09%). O item representou, sozinho, 0,22 ponto percentual (quase metade) do IPCA de novembro.

Por isso, comer fora de casa também fica mais caro. A alimentação fora do domicílio subiu 0,21% (frente à alta de 0,19% no mês anterior), influenciada pelo item lanche, que passou de 0,32% em outubro para 0,56% em novembro e contribuiu com 0,01 p.p. no índice do mês.

INPC também dispara por causa da carne

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de novembro foi de 0,54%, enquanto, em outubro, havia registrado 0,04%. Este resultado é o maior para um mês de novembro desde 2015. 

Os produtos alimentícios tiveram alta de 0,78% em novembro enquanto, no mês anterior, registraram 0,02%. O agrupamento dos não alimentícios, por sua vez, apresentou variação de 0,44%, enquanto, em outubro, havia registrado 0,05%.