Pular para o conteúdo principal

Indigenistas lançam dossiê sobre ações anti-indígenas da Funai sob Bolsonaro

Imagem
Arquivo de Imagem
combustíveis

Os Indigenistas Associados (InA) lançaram nesta terça-feira (14) um dossiê com denúncias sobre ações anti-indígenas do governo Bolsonaro na gestão da Fundação Nacional do Índio (Funai). O documento é uma parceria com Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc).

É possível acessar aqui o documento, intitulado  “Fundação Anti-indígena: um retrato da Funai sob o governo Bolsonaro”.

Leia também:
- Servidores da Funai deflagram greve de 24h
- Governo da Morte: a Amazônia Miliciana – Conversa com Ricardo Rao

Nesta terça-feira (14), servidores da Funai que se articulam através do InA deflagraram greve de 24 horas, exigindo retratação do presidente da instituição, que afirmou que Bruno Pereira - que acompanhava o jornalista britânico Dom Philiips - estava em terras indígenas sem autorização. Os dois estão desaparecidos, e são homenageados na abertura do documento lançado hoje.

O dossiê relata constrangimentos a servidores que buscam cumprir suas funções institucionais e se baseia também em documentos oficiais e falas públicas de atuais dirigentes da Fundação.

No documento, InA e Inesc afirmam que o governo de Jair Bolsonaro infiltrou quadros na Fundação que representam os interesses do agronegócio, em contradição com os objetivos da instituição. De acordo com as entidades, a política anti-indigenista se iniciou antes mesmo da eleição.

"O ponto de partida é o discurso sobre povos indígenas, política indigenista e Funai que Bolsonaro fazia ainda no período pré-eleitoral", diz o texto.

Os servidores da Funai que se congregam no InA esperam ser recebidos pelo Ministério da Justiça, pasta responsável pela Fundação, para apresentarem críticas à atual gestão do órgão.