Pular para o conteúdo principal

Índice de Saúde Financeira: Pesquisa mostra que brasileiro vive no limite entre renda e gastos

Imagem
Arquivo de Imagem
fundos de pensão, juros

A situação financeira dos brasileiros está gerando doenças na população. Com um crescente número de famílias endividadas, o stress já acomete a vida familiar de 58,4% segundo os dados do Índice de Saúde Financeira do Brasileiro.

Contudo, o objetivo do índice não é relacionar o sofrimento mental de quem está endividado, mas sim a capacidade de honrar seus compromissos financeiros. A ferramenta - lançada nesta segunda-feira (19) pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) - busca auxiliar na educação financeiras das pessoas, proporcionando dicas para entender como não se endividar.

Na página do Índice de Saúde Financeira do Brasileiro é possível ver não só o estudo, mas também uma calculadora que mede a saúde financeira do indivíduo ao longo do tempo.

O índice foi desenvolvido em cooperação técnica com o Banco Central do Brasil e contou com o apoio dos bancos associados à Febraban, membros do Sistema Financeiro Nacional e acadêmicos. As instituições estudaram diversas áreas para criar o indicador, como economia, ciências sociais, comunicação, estatística e administração. Além disso, foi realizada uma pesquisa amostral com 5 mil pessoas de diversas regiões do Brasil, graus de instrução, faixas de renda, idade e sexo.

O que é saúde financeira?

De acordo com a pesquisa, o conceito de saúde financeira compreende:

  • Capacidade de cumprir suas obrigações financeiras;
  • Capacidade de tomar boas decisões financeiras;
  • Disciplina e autocontrole para cumprir objetivos;
  • Ter segurança quanto ao futuro financeiro;
  • Ter liberdade de fazer escolhas que permitam aproveitar a vida.

Os primeiros resultados do Índice de Saúde Financeira do Brasileiro

Apenas 21,9% se sentem preparados para lidar com uma grande despesa inesperada. A média nacional, atingiu 57 pontos de 100 possíveis, o que significa um equilíbrio financeiro no limite, sem margem para erros.

Entretanto, 48,3% da população estão abaixo desse patamar, distribuídas entre:

  • Primeiros sinais de desequilíbrio e risco de entrar em alto estresse financeiro;
  • Primeiros sinais de desequilíbrio e risco de entrar em alto estresse financeiro;
  • Círculo de fragilidade, estresse e desorganização financeira.

Entre as regiões do País, a região Sudeste foi a que alcançou o maior patamar de pessoas no círculo de fragilidade:14,1%. A região Nordeste vem na sequência, com 11% das pessoas na mesma situação. Ao contrário, entre os melhores índices, está a região Sul, com 13,1% da população com uma vida financeira sem estresse. Esse dado está acima da média nacional, que mostrou que 8,1% dos brasileiros está nesse patamar.

Em relação ao futuro, as estatísticas do estudo mostram que apenas 35% da população brasileira tem segurança sobre suas finanças.