Pular para o conteúdo principal

Índice de Confiança do Consumidor sobe em dezembro, mas fecha o ano em baixa

Imagem
Arquivo de Imagem
Índice de Confiança do Consumidor

De acordo com o Índice de Confiança do Consumidor, divulgado nesta quarta-feira (22) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), o ano foi de muita dificuldade econômica e pouca expectativa entre os brasileiros. Apesar de o índice ter subido 0,6 pontos em dezembro, o acumulado do ano foi de queda de 2,6 pontos.

Conforme avaliam especialistas, essa piora reflete a situação das famílias, principalmente as que tem a renda menor. O indicador que avalia a satisfação sobre as finanças pessoais, da mesma pesquisa, mostra que houve uma queda de 2,9 pontos no mês de dezembro. Em outras palavras, as pessoas estão insatisfeitas com o quanto ganham e com a carestia proporcionada pelo aumento da inflação.

Leia também
- Salário Mínimo: Relator do Orçamento propõe R$1.210 para 2022

Nesse sentido, a coordenadora das sondagens feitas pelo Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), Viviane Seda Bittencourt, explicou: “O descolamento entre a confiança dos consumidores de baixa renda dos de alta renda atingiu o maior nível da série dos últimos 17 anos, principalmente em função da dificuldade financeira dos consumidores de menor nível de renda diante do quadro de desemprego, inflação elevada e aumento do endividamento”.

Crescem as expectativas para o próximo ano

Ainda que os outros índices que compõe a sondagem do Ibre/FGV mostrem que a população têm percebido a situação atual como difícil, a esperança para o futuro cresceu. O Índice de Expectativas teve aumento de 2 pontos, atingindo uma média alta de 83,4 pontos. Porém, a confiança no futuro pode não se sustentar a longo prazo, segundo Bittencourt, que afirmou que 2022 será desafiador.

Já o Índice de Situação Atual, que mostra a percepção das pessoas sobre a realidade presente, teve uma queda de 1,3 ponto, levando a média para 65,6 pontos. No mesmo sentido, a já citada satisfação sobre as finanças pessoais atingiu 59,2 pontos, assim como o ímpeto de compras para os próximos meses, que registrou queda de 3,6 pontos, totalizando 62,8 pontos.

Com informações da Agência Brasil.