Pular para o conteúdo principal

Incêndio no maior data center da Europa evidencia acerto de investimento na Dataprev

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

O data center da OVHcloud – o maior hosting da Europa – pegou fogo em março e deixou quase 4 milhões de sites fora do ar. 

Imagem: Cisco Advisor

Quase 4 milhões de clientes em todo o mundo ficaram sem seus sites depois do incêndio ocorrido em alguns servidores da OVHcloud – empresa de computação em nuvem – no dia 10 de março na cidade de Estrasburgo, França. De acordo com a dona do data center – a empresa OVH, das quatro edificações que compunham o complexo de hospedagens, uma está destruída; outra parcialmente comprometida e duas seguem intactas, porém monitoradas. Não houve feridos.

Com o incêndio bancos online, sites de comércio eletrônico e serviços de webmail saíram do ar, afetando não só os donos dos sites, mas impactando um grande número de pessoas. 

Data centers da Dataprev possuem certificação Tier III desde 2014

No Brasil, é difícil que haja um desastre como esse, principalmente na Dataprev. Em 2014, a direção da estatal optou por investir na modernização de seu parque tecnológico. Como resultado dos investimentos de  R$ 400 milhões em infraestrutura física e R$ 285 milhões em softwares e serviços, os data centers do Rio de Janeiro (1.028 m²), São Paulo (384 m²) e Brasília (225 m²) obtiveram o certificado Tier III, conferida pelo Uptime Institute

Segundo Álvaro Botelho, ex-diretor de Finanças e Serviços Logísticos da Dataprev, os relatórios da empresa apontam que nos últimos dez anos os maiores investimentos foram feitos entre 2009 e 2014 – período que abrange o fim do governo Lula e o primeiro e segundo mandatos de Dilma Rousseff.

Fonte: 2001 a 2017: Balanços Dataprev / 2018 a 2020: Panorama das Estatais – Sest/Ministério da Economia

Investimentos fizeram empresa crescer

Desde então, os data centers têm capacidade para computação de alta disponibilidade e recursos redundantes de rede elétrica e refrigeração. Eles ainda são conectados por circuitos de alta velocidade e há redundância nos três ambientes. Ou seja, quando um serviço sai do ar, um outro entra em operação, garantindo a continuidade da operação. Além disso, o parque tecnológico da estatal conta com salas-cofres certificadas e blindadas, que funcionam 24 horas por dia, 7 dias por semana.

O investimento feito e a certificação conquistada permitem que a Dataprev garanta a continuidade de negócios dos seus clientes, que são principalmente relacionados ao Governo Federal. Dessa forma, a empresa assegura que políticas públicas, programas sociais e outros serviços fundamentais para o funcionamento do País não sejam afetados.  

Somente para um de seus clientes – o INSS, a Dataprev realiza o pagamento de mais de 36 milhões de benefícios previdenciários mensalmente e 30 milhões de parcelas do seguro desemprego por ano. Além disso, a empresa foi responsável pelo processamento do auxílio emergencial, que atendeu 61,8 milhões de pessoas em 2020. 

Investimento feito em data center será repassado à iniciativa privada em caso de privatização

Caso a Dataprev seja realmente privatizada, os investimentos e melhorias feitas ao longo dos anos serão repassados à iniciativa privada, provavelmente por uma fração do que foi gasto. É preciso levar em consideração que tais investimentos foram feitos com dinheiro público, para o benefício do trabalho para a população.

Leia mais sobre Tecnologia no Reconta Aí.